Header Ads

O dia em que eu dei adeus ao Wolverine (Parte II)


Eae. Eu sei que a essas alturas a hype de Logan esfriou, mas o compromisso de terminar o especial contando como foi ver esse filme incrível, continua. Foi uma despedida super emocionante, marcante, então se você perdeu a primeira parte do texto, clique aqui e deixe a página da parte 2 aberta, daí venha comigo mais uma vez.


Dafine Keen = a nova Natalie Portman?
Vi esse comentário por acaso em um site gringo e fiquei: "Como eu não pensei nisso antes?" Porque realmente, existe um padrão aqui e eu não duvido ter sido coisa proposital do diretor James Mangold: O Profissional mostra a criança (Natalie Portman) que perde a família assassinada, e passa a ser protegida por um assassino de aluguel (Jean Reno).

O cara durão com a menina de vida difícil, aprendendo a conviver juntos, cheios de diferenças, que mostra o lado "soft," mas tem o destino da morte. Ele tem idade pra ser pai dela. Os atores são super em sincronia. Só eu vejo o paralelo?

Fox: trate de não perder a Dafne, pois ela tem um traço muito especial: falar com os olhos. Falar com a qualidade de um ator/atriz não é fácil, ter o conjunto -olhos e palavras- é um presente e coisa ainda menos frequente, faz lembrar duas das minhas atrizes favoritas que são assim: Ming-Na Wen e Scarlett Johansson.

A Laura passa boa parte do filme sem falar, isso é angustiante! De um ponto de vista sensacional. Os olhos mostram a raiva, o fato dela não falar (e ser até confundida como muda) mostra também a raiva, e o bloqueio em lidar com o mundo fora da Transigen, e mesmo quando ela fala pela primeira vez, é uma interpretação inteligente com o final absurdamente emocionante discursando o texto de Shane, o filme que passava no hotel.

O "Projeto Arma X" da Transigen
Foi um momento bem pesado do filme: os mutantes foram erradicados, e começaram a criar outros na base da ciência, com testes em crianças num esquema que poderia ser bem real. Ver todas as crianças sendo tratadas pior do que animais, isoladas, treinadas, é tipo a versão Logan do Projeto Arma X.

Agora pense comigo: um mundo os americanos atravessam para o México, exploram as pessoas de lá em prol da sua supremacia? Olha, nós bem que já temos isso hoje em dia. Só muda o fato de não existirem os mutantes. Ao mesmo tempo foi uma parte violenta, mas um link muito bem feito por parte do filme.

Aliás, cara. Laura ser filha do Wolverine. Eu surtei com isso, de tudo era o que eu menos esperava, e justificou ela ser bem mais nova que a versão das HQs. E fez sentido. Sabe quando você vê uma coisa tão bem pensada que quer gritar? Essa sou eu.

Referências
Outra parte que eu amei foram as referências. As HQs dos X-Men, o fato do Logan querer comprar um barco e usar o nome falso que na real é o verdadeiro nome dele (James Howlett), a presença do Caliban, as tiradas de chapéu para o filme de 2000 dos X-Men, a bala de Adamantium (o que foi bem depressivo), o cemitério onde você pode ler nomes como Peter (Parker?) e Steve (Rogers?).

O Dr. Zander Rice, filho de um dos envolvidos no Projeto Arma X, e morto pelo Wolverine.

E não só essas, mesmo as mais soltas como Xavier lembrando como os X-Men foram mortos, como ele e o Logan se conheceram, dele ser um "animal lutando numa jaula." Mas as minhas reais favoritas eu falo a seguir.

O belíssimo e fatídico jantar
Quando "os Howletts" encontram a simpática família que oferece hospedagem em agradecimento por ajudar a recuperar os seus cavalos soltos na pista, foi lindo. Esse é praticamente o único momento feliz do filme (a parte do hotel é um quase bem quase mesmo), onde o trio meio que age como gente normal, experimenta algumas horas de felicidade e descobre por uma noite o que é fugir dessa vida tensa que todos viveram.

Eu me emocionei deveras quando Xavier se pergunta "se ele merece tudo isso," porque na prática é pouco, uma rotina normal, calma, mas para quem passou os dias no meio do nada, sem ver ninguém, é como ganhar na loteria. O que dizer da conversa no jantar? Foi demais todas as menções ao fato dele "ter sido diretor de uma escola," da qual o Logan foi "expulso algumas vezes." Risos.

Fugindo para o Éden e o épico final
Me custou segundos preciosos até entender que o Xavier tinha sido assassinado. Cara. Logo depois dele chorar e questionar se merecia uma simples noite de paz, o cara é morto daquele jeito? Logan cumpriu a missão de dar um chute na boca do público com os dois pés: "meu amor, isso aqui não é My Little Pony não, ok? As pessoas morrem nesse universo. É só estar vivo."

Pareceu estranho o tal "X-24," mas além dele existir nas HQs, foi uma coisa bem simbólica de como o passado violento, animal e criminoso do Wolverine veio pra matar ele seja na forma da doença, ou de um clone. A luta dos dois foi angustiante, brutal, corpos perfurados, quebrados, nessa hora eu lembrei de quando passaram um arpão (?) no peito da Laura com a maior naturalidade do mundo. Aí eu lembrei, fator de cura, besta. Duh.

O velho Wolverine do presente, morrer para o novo Wolverine, do passado, foi uma analogia? Não sei, mas eu achei de novo muito simbólico. E lindo. De uma perspectiva extremamente triste, porém artística. Ele empalado, enquanto a Laura e as outras crianças fugiam...

Pense em alguém que começou a chora. Mesmo. De quase soluçar. Eu tinha me preparado para tudo que podia acontecer, menos o mais óbvio. Grito. Acabou sendo até "melhor," aumentou o peso da experiência que terminou com outra referência: a Laura recitando o trecho de Shane que era 100% todo o Logan, emocionada, chorando, depois de pela primeira ver ter chamado ele de "papai."

Ela virando a cruz em X antes de partir.

E você queria que eu não surtasse com esse filme?

Sobre Bruna

A loca de todas as coisas. Devota de Céline Dion. Mini Wikipedia de Scarlett Johansson Facts.™ Eu gosto de romances como eu gosto do meu café.

(Eu não tomo café)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.