Header Ads

Resident Evil terá reboot nos cinemas. E você duvidava disso?


Hoje em dia pouca coisa surpreende a Pessoa Que Vos Fala™. Pode me chamar de ranzinza se quiser, eu visto a carapuça. Ainda mais porque a notícia do reboot de Resident Evil nos cinemas me fez rir. Vai dizer que tinha gente duvidando disso?

O 6º filme, lançado em 2017, foi o fim da jornada do diretor e roteirista Paul WS Anderson, e quiçá de Milla Jovovich. Junto com o quarto filme, Recomeço, foi o único com bilheteria global na casa de 300 milhões de dólares, o que não é meteórico a la Star Wars, mas não chega a ser vergonha. A maior parte do lucro dinheiro veio da bilheteria internacional, pois o público americano é difícil de agradar. 

Se isso é possível.

Mas o mercado da nostalgia é forte, e os reboots e remakes estão voando: Power Rangers, Homem-Aranha: De Volta ao Lar, Caça-Fantasmas, Hellboy, Tomb Raider, Jumanji, Aladdin, A Coisa, Mestres do Universo... O Den of Geek tem uma lista de 123 reboots e remakes em andamento. É muito filme. 


Hollywood perdeu a criatividade? Nah. Isso é a febre dos universos compartilhados/expandidos, afinal, Marvel. Aí você não consegue mais ver um filme e entender tudo só com ele. Não dá pra ver a cena pós-créditos de Soldado Invernal e querer resposta em Guerra Civil, pois ela tem a ver com Vingadores 2, e o poder do cetro do Loki se explica em Vingadores.

E isso incentiva (ou obriga?) você a estar no cinema, comprando DVDs, lendo online, consumindo o conteúdo do estúdio X, Y. É a forma mais planejada (ou cômoda?) de ganhar dinheiro hoje em dia, muito porque o público está mais chato, ruim de aceitar novas ideias, mesmo pedindo isso, então investir nas propriedades conhecidas virou a moda, pois é mais difícil rejeitarem.

Teoricamente.

Por isso Martin Moszkowicz, presidente da Constantin Film, presidente da companha que possui os direitos de Resident Evil no cinema, anunciar a produção do reboot na edição 2017 de Cannes nem me surpreendeu. Passou foi é longe. 


N vezes o reboot já foi problema, mas com Resident Evil é uma chance sincera de ser algo bom, pois apesar de ser a única franquia inspirada em games a sobreviver, Alice & cia não tem boa fama. E essa "inspiração" nos games é muito discutível, risos. Mas eu gosto da Milla, claro. Se não gostasse, podia mandar prender. Daí vem a pergunta: com o reboot, para onde ir?

História não falta. Quais, fico devendo. Nunca me liguei muito nos filmes, menos ainda nos games. Um filme realmente inspirado nos games? É difícil confiar em Hollywood, risos. Mas eu tenho um palpite/desejo: ver a nova franquia (?) baseada em Resident Evil 7: Biohazard. O game é incrível. A Capcom criou esse universo que foge um pouco de Raccoon City, mas não fica "boiando," ele é tenso, sujo e apavorante.


Aí junte isso com a tecnologia de hoje, e essa rota daria outra cara ao "Resident Evil no cinema." Veja A Múmia, que saiu em 1999, e o filme de 2017, como a tecnologia é peça chave. E uh oh, o filme de 2017 acontece de ser um reboot/começo de franquia, risos.


Ter algo na linha horror/terror não me incomodaria muito, dependendo de como fosse. Eu gosto mais da parte psicológica, sabe. Por isso um filme da família Baker é o que eu mais curtiria ver, pois tem o horror gore, mas tem o terror psicológico torturante. Tô precisando de coisas pra deixar aquele wow, o soco no estômago estilo Logan.

É divertido.

Sobre Bruna

A loca de todas as coisas. Devota de Céline Dion. Mini Wikipedia de Scarlett Johansson Facts.™ Eu gosto de romances como eu gosto do meu café.

(Eu não tomo café)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.