Entre 2 e 7 de julho acontece a ESL One: Cologne, que é sempre um dos torneios mais disputados do calendário de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO). Dede 2014 a competição reúnem os times em Colônia, Alemanha, lotando a Lanxess Arena, a Catedral do Counter-Strike. Este ano a MIBR marca presença, mas o Brasil já brilhou brilhante na competição. Vem comigo que vamos no túnel do tempo das balitas, recordar os títulos da SK Gaming na ESL One: Cologne.



Chegando ao topo do mundo pela primeira vez


Em 2016 a SK Gaming estava com resultados bem mornos. Os brasileiros não se classificaram para ELEAGUE Season 1, ficaram em quinto na DreamHack Open Summer e em sétimo lugar no invitational da StarLadder i-League. Antes da ESL One: Cologne o time conquistou o 99Damage Masters #4 e o CS Reunion @ Inferno Online. Com títulos de menor expressão no bolso, o cenário mudaria na Alemanha.

  • A fase de grupos

A SK terminou líder do grupo D sem derrotas. A primeira vitória foi por 16 a 11 contra G2 Esports. O segundo jogo foi contra FaZe Clan, que mesmo tendo Håvard "rain" Nygaard e Fabien "kioShiMa" Fiey no elenco da época, não segurou os brasileiros, que venceram a partida por 16 a 6. Vaga certa nos playoffs, o primeiro jogo -das quartas de final- seria contra a Flipside Tactics.

  • Os playoffs

Sem um elenco expressivo, a Flipside também não segurou a SK Gaming, que venceu o jogo por 2 a 0. Indo para semifinal, uma parada difícil: a Virtus.pro. O elenco de 2016 era de jogadores famosos, que haviam vencido o mesmo invitational da StarLadder. O jogo começou com emoção, claro, com a SK perdendo o primeiro mapa. A recuperação viria no restante do jogo, e o Brasil marcaria presença na grande final ao vencer a Virtus por 2 a 1.

O adversário seria apenas a Team Liquid, cujo elenco da época era muito bom e incluía Oleksandr "s1mple" Kostyliev, melhor jogador do mundo em 2018. Só que a Liquid também não vinha num 2016 de grandes resultados, e perdeu por 2 a 0. Assim veio o primeiro título do Brasil na ESL One: Cologne, com direito ao MVP de Marcelo "coldzera" David.



Continuando no topo do mundo


O ano de 2017 é considerado um dos mais vitoriosos do Brasil no CS:GO internacional, muito em parte ao desempenho acima da média da SK Gaming. Antes da ESL One: Cologne o time conquistou a Season 3 da Esports Championship Series (ECS), e a DreamHack Open Summer. No ano em si, o time já havia sido campeão na IEM Sydney, no cs_summit 1 e levado a temporada regular da ESL Pro League (Season 5, América do Norte).

  • A fase de grupos

Com novo formato, a SK Gaming escorregou e terminou a fase de grupos em sexto lugar. As vitórias vieram contra Virtus.pro, North e Fnatic, e as derrotas contra Space Soldiers e G2. O resultado ainda assim garantiu vaga nos playoffs. Enquanto isso a Liquid, vice de 2016, passou para os playoffs com três vitórias na fase de grupos.

  • Os playoffs

O jogo das quartas de final foi contra OpTic Gaming, que tentou se emocionar ganhando o mapa 1. Só que os brasileiros nem deram bola, e venceram a partida por 2 a 1. Na semifinal, o reencontro com a FaZe. E mais uma vez apesar do bom elenco, o time não segurou FalleN e cia, que venceram por 2 a 0 e foram para grande final. A grande final? Ah... Eu bem lembro dela. 


Foi quando eu acordei real para o CS:GO, pois o SporTV transmitiu a partida, eu estava em casa e por acaso troquei de canal na hora. Se hoje a Cloud9 luta para se manter relevante, a Cloud9 de 2017 teve o seu melhor ano, eu diria. Antes da ESL One: Cologne o time venceu o Minor de Cracóvia e a Season 3 da ECS América do Norte. Em 2017 os norte-americanos já haviam vencido o Subaru Invitational e o iBUYER Invitational.


Aí veio o problema: o ano do Brasil também estava estrelado, e ainda mais. Tudo bem que a Cloud9 ameaçou reagir nos mapas 2 e 3mas depois de vencer o primeiro mapa por 16 a 9, a SK Gaming não se intimidou, e fechou a partida por 3 a 0. Assim veio o segundo título do Brasil na ESL One: Cologne, que está empatado com a Suécia como maior vencedor da competição.