Ah, sim. Começamos setembro daquele jeito que você já sabe: todo enrolado, mas com especial na ponta da agulha! Eu imagino que toda virada de mês você deve voltar pensando, que diabo de ideia ela vai ter dessa vez. A ideia para setembro foi um mix de acaso com oportunidade: vamos falar de história. Se você curte, pode vir, pois esse mês vamos musicar com Sabaton... Ou não. Pelo menos nessa semana nós vamos. E vamos abrasileirando! Abrimos a semana ao som de Smoking Snakes.

Mas... por que falar sobre guerra?


Como é a primeira semana, quero falar disso. Afinal é um tema... Polêmico. Por que o ser humano é tão interessado em guerras? As guerras falam de momentos horríveis? Falam. Só que elas também falam de gente como Spartacus, que enquanto viveu, não deixou o povo bárbaro cair de joelhos para os romanos. Podem ser histórias de sobrevivência, como a dos judeus. Elas podem retratar como a amizade nasce nos momentos mais difíceis da vida - vide a série Band of Brothers.

As guerras moldaram aspectos da sociedade como religião, cultura, economia, profissões. Você pode odiar o tema pela parte lógica que guerra não é bom, mas ao mesmo tempo é aquilo. Uma guerra é um documento histórico. E toda história deve ser lembrada sempre, pois ela ajuda a gente entender o passado e criar um presente, e com muita sorte, futuro, melhor. Elas nos ensinam sobre os limites que o ser humano pode chegar, o que fazer e não fazer.

Uma pessoa, um povo, que não sabe para onde vai, é porque não entende de onde veio.

Quem são as Cobras fumantes?


Acima você pode ver (e eu recomendo) o vídeo do canal do Sabaton, que conta as histórias as quais inspiraram as músicas. Então anote: se a música que eu trouxer tiver vídeo lá, o vídeo vai aparecer aqui. Smoking Snakes é do álbum Heroes (2014), que fugiu um pouco do modelo da banda. Ao invés de falar sobre grandes batalhas, o play fala de indivíduos históricos em momentos históricos

Heroes tem muita coisa boa como To Hell and Back, Resist and Bite Soldier of 3 Armies. A letra homeageia os pilotos da Força Expedicionária Brasileira, a FEB, que lutaram na Segunda Guerra Mundial. Eles acabaram separados da sua unidade, e lutaram até a morte com um grande contigente de soldados alemães em 1945. Ao serem enterrados, os alemães colocaram uma cruz nas sepulturas dos soldados com a inscrição 'Drei brasilianische Helden' (Três Herois Brasileiros).

Então... É isso! O formato do Play está diferente, então depois do vídeo, você dá uma espiadinha na letra de Smoking Snakes:

We remember, no surrender
Heroes of our century

3 men stood strong, and they held out for long
Going into the fight, to their death that awaits
Crazy or brave, will it end in the grave?
As they're giving their lives
As their honor dictates

Far, far from home, to a war
Fought on foreign soil and
Far, far from known, tell their tale
Their forgotten story
Cobras fumantes, eterna é sua vitória

Rise from the blood of your heroes
You, were the ones who refused to surrender
The 3, rather died than to flee
Know that your memory
Will be sung for a century

3 took the blow, while impressing their foe
Throwing dice, with their lives
As they're paying the price
Sent to raise hell, hear the toll of the bell
It is calling for you as the wehrmacht devised

Far, far from home, to a war
Fought on foreign soil and
Far, far from known, tell their tale
Their forgotten story
Cobras fumantes, eterna é sua vitória

Rise from the blood of your heroes
You, were the ones who refused to surrender
The 3, rather died than to flee
Know that your memory
Will be sung for a century

Sent over seas to be cast into fire
Fought for a purpose with pride and desire
Blood of the brave they would give to inspire
Cobras fumantes, your memory lives!

Sent over seas to be cast into fire
Fought for a purpose with pride and desire
Blood of the brave they would give to inspire
Cobras fumantes, your memory lives!

Cobras fumantes, eterna é sua vitória

Rise from the blood of your heroes
You, were the ones who refused to surrender
The 3, rather died than to flee
Know that your memory
Will be sung for a century