Essa semana foi bem festiva e para não perdermos nada, dividindo algumas para vocês terem mais material com uma dedicação melhor, e veja bem, achou mesmo que falar sobre  Dreamcast aqui e aqui era a única comemoração? Se enganou, pois Final Fantasy VIII também completou 20 anos no dia 9 de setembro.


O nascimento da obra

O ano era 1997 e lá estavam na Square (nessa época sem o Enix, que viria apenas em 2003 na fusão das empresas) os responsáveis pelo projeto que daria sequência ao sucesso que foi a estreia da série nos 32 bits com Final Fantasy VII. Com Yoshinori Kitase na direção, produção de Shinji Hashimoto, o deus Nobuo Uematsu responsável pela trilha sonora, onde pela primeira vez tivemos uma canção com voz em "Eyes on Me" recebendo os vocais de Faye Wong.

Eu amo uma abertura de jogo

Final Fantasy VIII (ファイナルファンタジーVIII, Fainaru Fantajī Eito) veio ao mundo como segundo game tridimensional da franquia e o primeiro a utilizar modelos mais realistas nos personagens abandonando o tradicional Super Deformed (SD) do passado. A história focava dessa vez mais nos laços emocionais dos personagens para nos contar tanto a história principal, como histórias que se conectam e nos surpreendem com os rumos que ela segue para salvarmos o mundo.

A história do Final Fantasy VIII se passa em um mundo que mistura elementos de fantasia e ficção científica, mostrando um grupo de jovens mercenários liderados por Squall Leonhart e trabalham para uma organização chamada SeeD. Eles inicialmente viajam por países diferentes perseguindo a feiticeira Edea, porém logo devem impedir que o futuro seja comprimido no tempo no chamado Ultimecia.

Paixão a primeira jogada

Lembro como se fosse ontem quando começaram a surgir imagens do Final Fantasy VIII nas revistas da época como Gamers, Ação Games, Super Game Power e outras. Eram muito interessantes e em muito por ser RPG, saber que era Final Fantasy e como tava parecendo bonitas e interessante aquelas imagens.

Tempos depois chegamos ao lançamento do jogo e muitos anos depois que eu finalmente pude jogar, quando finalmente ganhei meu Playstation somente em 2003. Antes disso via alguns amigos jogando de relance, acompanha matérias nas revistas e cada vez mais sentia uma empatia no jeito do Squall Leonheart enquanto Rinoa Heartilly apaixonava com seu sorriso encantador.

O jogo ter um certo giro com ar vida escolar também foi algo para ajudar ainda mais a criar laços e emergir na história, por mais que na vida real quando rola algum tipo de guerra escolar seja mais pro Street Fighter do que pra magia com armas.

Laços


( ͡° ͜ʖ ͡°)
Em uma época onde não tínhamos uma noção clara sobre jogos serem longos ou realmente longos, mesmo que fossem RPG, a história do Final Fantasy VIII dava uma boa enganada na nossa percepção com muita ação rolando em curto espaços de hora e trazendo os preparativos para a escalada épica da jornada. Até que repentinamente nossos personagens caem no sono.

O mundo se torna diferente, novos personagens no comando, um cara cabeludo parece ser o principal agora e olha, encontraram um bar com uma bela pianista. Ali vemos que Laguna Loire apesar de todo seu bom coração e jeito divertido, é alguém muito tímido para lidar com as mulheres mas a pianista Julia Heartilly.

Cada vez que temos eventos de flashback eles nos ajudam a entender mais dos eventos do presente, e, nos surpreendem a cada revelação e como bem utilizado, o plot do futuro repetir o passado, até como herança, pode criar momentos surpreendentes e muitas conexões inesperadas quando entendemos Laguna e Julia, Squall e Rinoa. Quase como o destino dizendo "se os amantes originais tiveram suas histórias interrompidas, seus sangues se encontrarão no futuro para prosseguir um novo capítulo próprio."

"Eyes on Me" foi composta por Julia para lembrar de Laguna. A música tornou-a famosa no mundo

Libere Fatale

Final Fantasy VIII é um clássico que é mais do que recomendado você jogar, e hoje em dia, é mais fácil devido a versão de PC estar a venda na Steam, e ainda temos a versão remasterizada do jogo também a nossa disposição, tornando ainda mais linda essa experiência. A trilogia FF lançada no Playstation merece sua atenção, mas, se o tempo tiver corrido vai no 8 que é sucesso.

O jogo foi sucesso de crítica e recepção, assim como altas vendas garantidas para o game. Mais do que tudo isso, segue firme e forte nos nossos corações e o reflexo dessa paixão é vista quando algum personagem do jogo é anunciado no Dissidia Final Fantasy, a rinha de galo da série FF.

#TBT

Se o assunto é Final Fantasy VIII e a parte de lembrar mais alguma coisa do passado, só me vem a cabeça uma versão que tive a felicidade de ver ela nascendo e um pouco do seu processo de gravação. Uma das melhores versões instrumentais alternativas que você poderia ver e ouvir vem do meu ex-professor de guitarra, Luiz Oliveira, um dos fãs da série e do oitavo episódio da saga Final Fantasy.

Solta o play meu consagrado:


Até semana que vem!