Foi doideira, mas terminou o mês. Falta pouco pra gente conseguir dizer que realmente sobreviveu a 2019, certo? Em novembro o Play foi meio aleatório, mas eu gosto: inventar temas, desafiar o quanto eu sei sobre música. Então fomos com músicas relacionadas a filmes que estrearam nesses últimos dois, três meses. Nesta semana vamos ficar progressivos! É hora de Locomotive Breath, o clássico do Jethro Tull que embalou o Jumanji de 1995.

Se você perdeu as outras semanas, ouça os Plays de Bad to the Bone (Exterminador do Futuro 2), e Independent Women, Pt. 1 (As Panteras). Defying Gravity não é tema de Frozen 2, mas a Idina Menzel é tão fod* que ela merece ser a exceção. Ainda mais agora com estrela na Calçada da Fama.  



Nostalgia esquisita


Eu nem gosto tanto de rock progressivo, mas bate uma nostalgia esquisita e bem legal. Junto com o pop rock anos 80/90, foi o gênero que mais me deixou curiosa. Ainda é, eu diria, principalmente o prog rock britânico. Eu, pré-adolescente, usando a internet discada pra conhecer bandas de prog? É algo que você pode visualizar, pois aconteceu mesmo.

Aí era um mix de conhecer bandas por acaso, em séries de TV ou pelo Orkut. Aí eu descobri Pink Floyd, Deep Purple, Uriah Heep, Jethro TullAsia, YesEmerson, Lake and Palmer/Powell, King Crimson. E o Genesis, que foi a banda com a qual tudo isso começou. Lá pros 20 anos eu conheci o Porcupine Tree, bem legal também.

In the shuffling madness of the locomotive breath


Locomotive Breath foi uma das músicas de Jumanji (1995), embora não tenha entrado na trilha sonora. O filme de Robbie Williams conta a história de uma família, que acha um jogo de tabuleiro suspeito. Quando ele começa, a cada lançamento dos dados a família faz aparecer animais reais e outros elementos como que por mágica. Em 2017 o filme ganhou a sequência Jumanji: Bem-Vindo à Selva com The Rock & cia. E em dezembro estreia a sequência da sequência - Jumanji: Próxima Fase.

Eu disse: é uma nostalgia diferente

O que é legal de ouvir Locomotive Breath e, conhecendo o prog britânico, é sacar pela atmosfera que é uma banda britânica, sabe? De tanto ouvir bandas de um mesmo estilo/país, você mata os elementos em comum. E o Jethro Tull tinha essa aura, meio teatral e conceitual, com vocal na mesma pegada dos conterrâneos. Inclusive, essa música lembra outra que eu adoro: Roundabout, do Yes.

(Holly cheetos, até aqui temos uma Jojo Referência™)

Locomotive Breath é um som mais acessível, de qualidade, mostrando que o prog nem sempre tem que se exibir pra música sair boa. Agora sabe qual é o melhor disso tudo? Por R$ 1,99 você assina o Amazon Music Unlimited durante quatro meses, e curte todos os progs que foram citados no Play. De quebra, ainda ajuda o Armadura Nerd a continuar funcionando ❤ É só clicar aqui e ser feliz.



Letra

In the Shuffling madness
of the locomotive breath
Runs the all time loser
headlong to his death
Oh, he feels the piston scraping
steam breaking on his brow
Old Charlie stole the handle
and the train, it won't stop going
no way to slow down

He sees his children jumping off
at stations one by one
His woman and his best friend
in bed and having fun
Oh, he's crawling down the corridor
on his hands and knees
Old Charlie stole the handle
and the train, it won't stop going
no way to slow down

He hears the silence howling
catches angels as they fall
And the all time winner
has got him by the balls
Oh, he picks up Gideon's Bible
open at page one
I thank God He stole the handle
and the train, it won't stop going
no way to slow down