SPOILERS de "How Queer Everything Is Today!", episódio de Batwoman, a seguir

Após enfrentar o Anti-Monitor e salvar o multiverso, o domingo (19) de Batwoman foi para retomar a vida após a Crise nas Infinitas Terras. O primeiro episódio pós-crossover retomou o conflito entre Kate Kane/Batwoman (Ruby Rose) e Elizabeth Kane/Alice (Rachel Skarsten), mas de um jeito que os fãs talvez não esperassem. Além disso, Batwoman trouxe mais uma mudança para vida de Kate, que mudará totalmente o futuro da série.


O COMEÇO DE TUDO

Batwoman impede a colisão de um trem, mas o seu gancho dá problema assim que o trem para. Ela é ajudada por um jovem oficial da polícia de Gotham, Sloam Bradley, e os dois são fotografados. O momento vira festa para os tabloides de Gotham, com muitas pessoas "shippando" Kate e Sloam - para o desgosto de Kate. Isso a fez questionar quanto de sua identidade pessoal como uma mulher queer precisava ser compartilhada com a identidade de vigilante. Principalmente depois de ter sido o Paragon da Coragem na Crise.

Kate começa a investigar o trem descontrolado, o que a leva até a jovem Parker Torres, que admitiu ser a hacker responsável pelo quase acidente. Parker explica que a ex-namorada revelou para seus pais conservadores, que ela era lésbica. A jovem explicou que hackeou o trem enquanto estava nele, esperando que seus pais a aceitassem de volta depois de verem que ela enfrentou a morte. Parker disse que não sabia se as coisas "melhorariam" em termos de aceitação de sua sexualidade, e pensou que Batwoman era o tipo de "garota malvada" que não entenderia sua luta.

A IDEIA

Parker é sequestrada por Alice, que queria obrigar a garota a invadir todos os celulares da cidade para revelar a identidade de Batwoman. Kate concorda em tirar a máscara e Parker a reconhece de imediato, enquanto se pergunta por que Batwoman não disse que também era gay. Mais tarde, Kate percebe o significado de Batwoman como lésbica - e organiza uma entrevista com a CatCo e Kara Danvers para fazer isso da forma correta. A revista que confirma Batwoman como lésbica, foi lida e abraçada pelas pessoas de Gotham.

O CONTEXTO

Batwoman tratou bastante de problemas LGBTQ+ nos primeiros episódios. A diferença de agora, é que a série abre caminho para o tipo de história o qual apenas Batwoman poderia contar. Motivo? Os outros heróis do Arrowverse tiveram problemas e dilemas com as suas identidades secretas, mas até agora, Kate mostrou ser mais confiante na sua identidade civil que na identidade heroica. Ela não hesita ao enfrentar vilões, mas se apavora em ser emocionalmente vulnerável.

O POTENCIAL

Ver Kate passar por essa luta de forma pública como Batwoman, é muito importante principalmente pelo impacto que vai trazer para as pessoas ao seu redor - e além dele, fora das TVs. Existe um longo caminho a percorrer, para que a comunidade LGBTQ+ realmente se sinta parte do mundo. Entretanto, Batwoman decidiu fazer jus ao título de Paragon da Coragem, e tornou-se um farol de esperança. Assim, a série oferece uma visão positiva, e que sim, uma heroína queer pode existir.