Em janeiro de 2019 estreou no Brasil o filme Homem-Aranha: No Aranhaverso. Elogiado por fãs e críticos, até a data desse texto ele faturou o prêmio de melhor animação em duas cerimônias pouco conhecidas. O Globo de Ouro e o Critics Choice Awards. Assim, o Cosmo Nerd hoje fala sobre um dos integrantes mais legais do elenco - a Spider-Gwen.

VIRAR SUCESSO NA MARVEL NÃO É FÁCIL

Robbie Reyes e Kamala Khan fizeram história na Marvel Comics

Com um elenco cheio de gente querida, fazer um novo personagem virar sucesso na Marvel Comics de 2010 para cá é difícil. Existem exceções, claro. Ms. Marvel e o Motoqueiro Fantasma carregam o legado das versões originais, mas criaram novos públicos, e lideraram o aumento na quantidade de personagens adaptados. A Spider-Gwen conseguiu a mesma coisa, mas de um jeito só dela.

Após quatro anos no elenco da Marvel Comics, a Spider-Gwen está em sua segunda série, com novo time de criadores: o autor Seanan McGuire e a artista Rosi Kampe. "Spider-Gwen: Ghost Spider" marca uma nova fase na vida da heroína, mas uma pergunta continua a mesma.

Como a Spider-Gwen se tornou um sucesso? Eu tenho a resposta.

Leia também: Homem-Aranha: Longe de Casa ganha o primeiro trailer, confira

ORIGENS ESTRANHAS


A Spider-Gwen foi imaginada como parte do evento "Aranhaverso", próximo ao fim do trabalho de Dan Slott como autor da série Amazing Spider-Man. A ideia inicial era de um Homem-Aranha com a Gwen Stacy debaixo da máscara, mas foi o autor Jason Latour e o artista Robbi Rodriguez quem definiram o conceito. A dupla lançou uma minissérie prólogo, Edge of Spider-Verse, que apresentou uma série de "Gente-Aranha" em edições únicas.

Nasce então design da personagem: um traje branco de contornos luminosos e capuz. As prévias da HQ deixaram o público curioso, antes mesmo da estreia em Edge of Spider-Verse #2. A recepção foi extremamente positiva, e as vendas, um sucesso. Em seguida veio a pergunta que não queria calar:

Quando vamos ter mais Spider-Gwen?

Não demorou para heroína dar outra série a personagem, mas com um detalhe. O primeiro volume teve apenas cinco edições devido o evento Guerras Secretas, que interrompeu todas as publicações da Marvel Comics. Latour, Rodriguez e outros colaboradores produziram 39 edições em quatro anos.

UMA ORIGEM IGUAL, MAS DIFERENTE

Os feels que você não queria, mas que eu trouxe assim mesmo

Nossa Gwen Stacy vem da Terra-65, onde ela é mordida pela aranha e se torna a heroína conhecida como Spider-Gwen. Ela herda muito da personalidade e os conflitos do Peter Parker da Terra-616, como ser vista negativamente pela mídia. Ela então se torna um ídolo para o Peter da Terra-65, que é vítima de bullying. Eis que ele decide se fazer de cobaia para tentar ser um herói feito ela, mas...

... O resultado não é bom, e Peter morre. Ela então é taxada de criminosa, e acusada pela morte. É um "momento Tio Ben" na vida de Gwen Stacy, que muda totalmente a sua vida. Com uma nova razão de viver, ela jura usar seus poderes para deter o crime, e não para chamar a atenção, como admitiu em Spider-Gwen #2.

No geral, a Spider-Gwen pode não só grudar e andar em paredes. Ela tem o famoso sentido aranha e pode levantar quase 10 toneladas. Sem falar de uma ajuda curiosa! Janet Van Dyne, a bilionária que combateu o crime como Vespa, cria para Gwen Stacy um dispositivo interessante. Ele pode filtrar os componentes do ar e criar teia de aranha, sem precisar recargar.

(Enquanto esses componentes estiverem presentes)

A Spider-Gwen ainda tem um relógio de pulso que permite viajar pelo multiverso, acompanhando os eventos do Aranhaverso em primeira mão.

TALENTOS INCRÍVEIS


A Spider-Gwen fez renascer o interesse pela Gwen Stacy, "morta de papel passado" há muito tempo. Vendo isso, a Marvel Comics fez um mês inteiro de capas alternativas lançadas, onde a personagem assumiu o manto de diferentes heróis. Assim surgiu outra variante muito popular: a Gweenpool. Mas o que fez a Spider-Gwen se destacar desde o começou foi a dupla de co-criadores, vozes únicas dentro da nova geração de autores e artistas.

Rodriguez utilizou um design marcado por linhas finas, diagonais, formas longas e exageradas tanto nas sequências de ação quanto nas musicais. Era algo que esbanjava energia. Socos estendidos através de painéis inteiros e lançamentos de teia iam de um lado ao outro das páginas. Seu trabalho de coloração foi igualmente crucial para personagem e seu mundo.

Não surpreende que Homem-Aranha: No Aranhaverso tenha modelado as cenas da Spider-Gqen utilizando essa estética, especificamente.

Lator, por sua vez, mostrou ser um autor consciente do que torna os heróis da Marvel essenciais, e como ele podem ser atualizados para uma nova geração. Temas como poder, responsabilidade e família foram abordados em Edge of Spider-Verse #2 e nas histórias seguintes, porém sem seguir os moldes de Steve Ditko e Stan Lee.

Aqui a ênfase é numa estrutura familiar não-tradicional, junto com o conflito entre paixão criativa e trabalho. A Spider-Gwen tem um DNA semelhante ao Peter Parker original, mas ao mesmo tempo ela segue um caminho só dela em termos de trama e tom.

AINDA TEM LENHA PARA QUEIMAR


Gwen Stacy cresceu como personagem graças ao trabalho de Latour, Rodriguez e seus colaboradores em quatro anos. De quebra vieram versões fascinantes de vilões clássicos como Lagarto, Justiceiro e Duende Verde. Eles até pegaram elementos divertidos de outros universos! O melhor sem dúvidas é o Porco-Aranha ser parte da imaginação da Spider-Gwen.

Ah! Curiosidade: você sabia que a Spider-Gwen é integrante de uma banda de rock? A menina Gwen é vocalista da The Mary Janes, que inspirou a banda Married With Sea Monsters a gravar a música "Face it Tiger". Ela é bem bacana:


Não existe parte da mitologia da Marvel que ficou fora dos limites, pois a história da Spider-Gwen  reinventou as estéticas e conceitos por trás de muitos personagens populares. Mesmo quando se vão, fica claro que a história criada por eles pode ter apenas começado.

Gwen tem potencial tanto nas suas histórias, quanto nas da continuidade central da Marvel. Além de ter uma série em andamento, ela permaneceu em contato com uma equipe de pessoas-aranha de todo o multiverso e mesmo teve um romance com Miles Morales. Como Miles, ainda existe a chande da Spider-Gwen poder se unir ao universo da Marvel, se a sua popularidade continuar crescendo.

Enquanto o dia não chega, seu próprio universo está cheio de enredos e personagens que ainda não foram explorados. Com um novo time de criadores assumindo a personagem, não se sabe quais vilões ou aliados podem chegar, ou o quanto a personagem irá evoluir. A única coisa certa é que estamos longe de ouvir falar da Spider-Gwen pela última vez.

Texto traduzido e adaptado do ComicBook.com