A Marvel Comics está sombria. Dark, mais exatamente. A iniciativa 'Dark Variant' está produzindo versões de personagens e heróis icônicos em versões corrompidas quase-demoníacas - feito Capitão América e Homem-Aranha. Agora, o mesmo tratamento foi dado a Rachel Grey e Polaris, dos X-Men, que se transformaram em nossos piores pesadelos.

Os designs lembram, de certa forma, o evento 'Dark Nights: Metal', evento que a DC Comics lançou em 2017. A diferença é que, por enquanto, as capas variantes não são canônicas. Ainda assim não dá para ignorar que os artistas estão mesmo soltando a criatividade, onde o Cable virou um pseudo-Spawn, e a Viúva Negra virou literalmente um demônio.


Já o autor da capa de X-Factor #2 é David Nakayama. Rachel Grey não é um dos mutantes mais famosos, e sua história não é fácil. Original da linha do tempo de Dias de um Futuro Esquecido, ela é capturada e forçada a ser um Hound, ou seja: caçar os próprios colegas mutantes. Seu traje de Hound incluía espinhos ao estilo heavy metal, e até uma tatuagem facil.

Nakayama incorporou esses elementos e levou um pouco além, tornando Rachel numa versão gótica-esca com asas de fênix. As asas não foram mero acaso: Rachel Grey é um dos principais hospedeiros da Fênix, por um motivo bem particular. Ela nunca se tornou a Fênix Negra.

Já Polaris ficou mais conhecida graças à série 'The Gifted', onde a personagem foi vivida pela atriz Emma Dumont. Aqui, Polaris ganhou visual de morcego demoníaco, com asas verdes inspiradas na sua tradicional capa. E o artista realmente gostou da ideia das tatuagens, pois Polaris tem várias pelo corpo, incluindo uma versão do logo dos X-Men.

A série 'X-Factor' será relançada em 22 de abril. Já a série de capas 'Dark Variant' será lançada em maio.