Em 2020 um dos momentos mais aguardados era o mês de Fevereiro, e não por ser a época de Carnaval no Brasil, mas sim por vir duas estreias muito aguardadas nos cinemas para dois públicos distintos. Enquanto Aves de Rapina deve pintar no site futuramente, conseguimos conferir Sonic e vamos falar sobre o Sonic O Filme e se a maldição dos filmes baseado em games foi vencida por ele.

Sonic, o porco-espinho azul mais famoso do mundo, se junta com os seus amigos para derrotar o terrível Doutor Eggman, um cientista louco que planeja dominar o mundo, e o Doutor Robotnik, responsável por aprisionar animais inocentes em robôs.

A mudança muito bem vinda

Antes de começarmos a falar sobre o filme devemos lembrar que a melhor escolha possível, com os fãs cobrando por isso, foi a alteração do visual do Sonic. A principio a ideia era fazer o Ouriço Azul um pouco mais realistas, e bem, foi algo muito estranho e sem expressão.


Virou um tremendo de um trabalho extra para a equipe de efeitos visuais e responsáveis pelo visual do bichinho. A pressão dos fãs valeu muito a pena, e enfim, Sonic ficou com um visual caricato mais próximo ao que vemos nos games


Sobre o filme

Apesar de aparentemente o filme ter focado um pouco no inicio para chamar a atenção das crianças dos anos 1990, ele é um filme para as crianças (muitos esquecerão disso, com certeza) e incrivelmente apesar dele ser "bobo", não ficou extremamente infantilizado como é como de acontecer em filmes assim.

Sonic é muito louco e não consegue ficar quieto por poucos segundos, afinal, sua super velocidade o deixa extremamente hiperativo. O filme abusa disso para criar muitas cenas criativas e que com certeza intriga os pequenos ao assistirem o longa.

Momentos após o apagão acontecer

Tudo começa com Sonic quando era criança, o "Baby Sonic" não é bem um bebê mas pode vê-lo assim, nos mostrando a Green Hills que conhecemos dos games. Ele é criado pela Garra Longa, uma coruja que segundo ele é a "Obi-Wan Kenobi" da sua vida.

Sim, Sonic abusa de quebrar a quarta parede e nos deixa a entender que o universo do filme é aquele que vivemos.

Ao descobrirem sobre seu paradeiro o pequeno Ouriço se vê obrigado a fugir com sua mestra, no entanto, ela o faz ir para outro mundo para continuar escondido, e assim, através dos anéis, eles são capazes de fazer teletransporte pro mundo que o dono do Anel desejar, desde que consiga vê-lo em sua mente. Desse jeito o pequeno Sonic chega em nossa Terra em uma cidade chamada Green Hills.

Touche!

Muitas das coisas que vimos nos trailer, apesar de parecer falar de mais, na verdade mostrou pequenos momentos e nos deu o inicio no qual nos leva ao nosso vilão, contudo, isso vem do Sonic viver sozinho e em um determinado momento sentir muito o peso da sua solidão ao jogar baseball sozinho (uma cena bem divertida, até o momento triste). Temos o apagão surreal.

Dr. Jim Robotnik

Antes do rework no visual do Sonic havia algo que era unânime: Jim Carrey vai carregar esse filme nas costas. O ator e comediante simplesmente brilhou no trailer com sua versão do Robotnik e isso não é algo ruim, já que basicamente muitos devem o olhar o vilão e ver mais a loucura mesmo.

Com o novo visual do Ouriço o peso nas costas de Jim Carrey diminuiu e é incrível ver, não apenas ele, mas como também James Mardesen que interpreta o xerife Tom "Donnuts" Wachoski, interagem com o Sonic que provavelmente em boa parte das cenas, não deve ter nada no cenário para eles interagirem similar ao que foi visto em Detetive Pikachu.


Talvez as crianças da sala não tenham notado, mas acredito, que algumas cenas fizeram uma pelúcia tamanho real do Sonic pra certas cenas. Tenho interesse para decoração do quarto escritório.

Jim Carrey assumiu que o vilão seria o inteligente mais louco que ele poderia interpretar e nos fazer lembrar de momentos sublimes como "Todo Poderoso", "O Máscara" ou "Eu, Eu Mesmo e Irene" por exemplo. as interações, lutas, piadas e afins entre herói e final são boas e em diversos momentos se você ficar atento, nota que são coisas vinda diretamente dos games como aquela cena da perseguição do trailer.

Referências

Se originalmente estava tudo lá ou se surgiram depois da reação negativa ao primeiro trailer, não saberemos, Sonic O Filme traz muitas referências dos games e algumas da vida como a fala sobre o The Rock já ser presidente ou não (primeiro passo pro mundo voltar a ser um lugar melhor).

No inicio do filme tem um easter egg que eu nunca imaginei que eles utilizariam por motivos deles acharem bom, saber que existe ou se a Sega teria algum tipo de poder de veto ou aprovação. É por sua conta em risco ver que estou falando do Sanic.

Os movimentos estão presentes e obviamente o Spin Dash é o mais utilizado por motivos óbvios já que é a maior referência de habilidades do Ouriço nos games. A referência a Jojo's ainda está presente, momentos que vão te fazer lembrar de alguns jogos específicos também.

Sem contar por motivos de spoiler, mas mais uma vez, é por sua conta em risco saber que Robotnik de bigodão e careca aparece, além disso, um segundo filme deve vir pois Tails aparece na cena extra. Mas eu gostei muito de ver que no mapinha do Sonic no qual tinha os planetas pras eventuais fuga dele para se isolar, um tinha a forma e o símbolo do Sega Saturn.

Existem duas cenas muito boas que farão lembrar de X-Men mas já deixo adiantado que pra mim, o Sonic vence fácil a briga quando começar a pipocar vídeos comparando ambos os personagens nessas situações.

Veredito

Shorastes, Baby Yoda?

Sonic aposta em algo simples e acerta a mão para dar aos seus dois público alvo o que eles querem: um personagem divertido para os pequenos torcerem por ele e tudo (que foi possível) das referências que os adultos que cresceram jogando sabem ou possuem como memória afetiva dele.

Ao estabelecer de forma direta e simples pros pequenos. A ação cômica também tem alguns momentos para os mais velhos refletirem, além de, alguns momentos triste com nosso herói. Ao final da exibição me via satisfeito com que foi visto, aliás boa cena pós crédito e os próprios créditos fazendo referência ao Mega Drive foi legal.


E diante de tudo que foi dito, o acender das luzes também revelou crianças felizes e esse é o sinal que esse tipo de filme precisa, e não nós crianças dos anos 1990, decidindo o veredito final. Isso quando cismam de apenas criticar sem motivos já que o filme está bom e entra pra trindade dos que venceram a maldição se juntando a Assassin's Creed (com ressalvas pro final, na minha opinião) e o novo Tomb Raider.