Feliz aniversário! No dia 17 de abril o Eluveitie comemora o lançamento de "Evocation I: The Arcane Dominion", terceiro álbum de estúdio lançado em 2009 pela Nuclear Blast. Famosa por unir o folk ao death metal melódico, Evocation saiu na contramão, sendo um álbum quase todo acústico.

O tema e as vozes

A nostalgia de lembra que esse clipe existe

Evocation é um álbum conceitual, que aborda e mitologia gaulesa/celta. As letras são parcialmente baseadas em inscrições gaulesas: "A Girl's Oath" usa o texto da placa de Larzac, e "Dessumiis Luge" usa o texto da placa de Chamalières. Para ficar ainda mais in character, o álbum usa a extinta língua gaulesa como idioma das letras.

Os vocais são, em maioria, da ex-integrante Anna Murphy, com participações da ex-violinista Meri Tádic, e do vocalista Chrigel Glanzmann. Anna Murphy, aliás, contribuiu no álbum (e na passagem pelo Eluveitie), com um instrumento curioso: o hurdy-gurdy. Mas nós vamos falar sobre isso daqui a pouco.

Quem participou no álbum

Brictom é amor, Brictom é vida

O Eluveitie sempre foi uma banda com vários músicos, entre oficiais e convidados, em instrumentos tradicionais ou folk. Além de colaborar com o vocal agressivo, os growls, Chrigel Glanzmann gravou a flauta tin whistle e o apito baixo, mandola, bandolim, gaita irlandesa e o bodhrán - uma percussão similar a um tamborim.

Ivo HenziSime Koch e Kay Brem gravaram o violão. Brem também gravou o baixo fretless. A mencionada Meri Tádic gravou além da voz, o violino (claro). Merlin Sutter comandou a bateria e a percussão. E Päde Kistler também ficou com a tin whistle e o apito baixo - além da gaita de foles das terras altas e a gaita de fole redpipe.

E a Anna Murphy? Além do vocal e da flauta, ela tocou o instrumento que a deixou mais conhecida: o hurdy-gurdy. Ele também é chamado de viela de roda ou simplesmente, de sanfona. Há alguns anos nós entrevistamos a moça ainda em tempos de Eluveitie, corre e confere o papo bem aqui.

E os convidados?

Aí fica ainda mais interessante. Freddy Schnyder tocou o dulcimer, um instrumento de cordas em "Within the Grove" e "Gobanno". Apesar do nome, Mina The Fiddler aparece nas mesmas faixas, mas tocando a viola de cinco cordas. Oliver s. Tyr, vocalista da banda de folk e medieval Faun, fez jus à origem, comandando o alaúde de braço longo em "The Arcane Dominion".

Por fim, Sarah Wauquiez tocou zugerörgeli, o acordeão suíço em "Gobanno", e Alan Nemtheanga, vocalista da banda de folk/black metal Primordial, fez as vozes adicionais de "Sacrapos - At First Glance" e  "Nata".

O conceito da capa

Por se tratar de um álbum totalmente conceitual, a capa de Evocation I - The Arcane Dominion não foge a regra. A arte retrata Cernuno, o deus com chifres do politeísmo celta. Seu significado real na religião celta é desconhecido, mas existem algumas interpretações do seu papel. Elas vão desde deus dos animais, natureza e fertilidade, até o deus das viagens comércio e bidirecionalidade.

Vamos ouvir? 

Se você curtiu essa viagem folk conceitual passiva agressiva, vamos ouvir! Evocation é um grande álbum que merece ser conhecido, ou relembrado por quem já conhece. Vem comigo: