Em 21 de abril o Epica comemora o aniversário de "Consign to Oblivion", segundo álbum de estúdio lançado em 2005 pela Transmission. Em termos de estilo, o álbum é mais focado nas orquestrações, aposta pesado nos refrões, e faz menor uso dos death growls, o vocal agressivo feito pelo guitarrista Mark Jansen. O álbum foi composto com uma ideia de trilha sonora, tendo Hans Zimmer e Danny Elfman como grandes referências.

O conceito

Consign to Oblivion é inspirado pela civilização maia e a sua cultura, na qual Mark teve contato ao ler um livro com fotos de cidades antigas. Quatro músicas do álbum formam uma quadrilogia que gira em torno do saber, ascensão, prosperidade e queda do império maia: "A New Age Dawns". A saga continua posteriormente no álbum Design Your Universe, lançado em 2009.

Tivemos convidados?

A parceria entre Kamelot e Epica se mantém até hoje, e rendeu, por exemplo a ótima "The Haunting (Somewhere in Time)"


Sim, e muita gente boa. Primeiro, a orquestra contou com Benjamin Spillner, Andreas Pfaff, Tobias Rempe e Gregor Dierk nos violinos. Swantje Tessman e Patrick Sepec comandaram as violas. Por fim, Jörn Kellermann tocou o violoncelelo.

Em música, um dueto especialíssimo: Roy Khan, na época vocalista do Kamelot, dividiu os vocais com a Simone em "Trois Vierges". Sascha Paeth, além de ter sido produtor do álbum, tocou guitarra acústica em "Dance Of Fate". Curiosidade: o Epica se chama Epica, pois os integrantes mudaram o primeiro nome - Sahara Dust - inspirados em "Epica", álbum lançado pelo Kamelot em 2003.

Por fim, mas não menos importante, tivemos o coral do Epica: Melvin Edmondson (baixo), Previn Moore (tenor), Bridget Fogle (contralto), Annie Goebel (soprano) e Linda van Summeren (soprano). A lista fecha com duas vozes mega conhecidas e queridas. Amanda Somerville (soprano) é figurinha carimbada, tendo escrito e gravado álbuns de bandas como After Forever, Kamelot, Edguy, Avantasia e o Epica. O outro tenor é pura saudade: Andre Matos, a eterna voz do Angra, Shaman e Viper.

E claro, eles deram o tom da cantoria: Simone Simons, Mark Jansen (guitarra, vocais), Ad Sluijter (guitarra), Coen Janssen (sintetizador, orquestrações, arranjos de coral), Yves Huts (baixo, arranjos orquestrais) e Jeroen Simons (bateria).

Temos vídeos!

Por ser uma banda pela qual eu tenho uma consideração específica, vamos quebrar o padrão e deixar uns vídeos de performances ao vivo de músicas do Consign to Oblivion. Além, é claro, do famoso clipe de "Quietus".







Vamos ouvir?

Sou ligeiramente suspeita para falar sobre um dos dois álbuns do Epica que eu mais gosto. Curtiu o texto e os vídeos? Agora sim, bora lá soltar esse play. Afinal, eu não dou dica musical errada. PS: a versão do Spotify tem mais faixas, pois conta com versões orquestrais das músicas. Ouve tudo que é sucesso.