Após conquista a vitória na Corrida das Estrelas da Porsche Cup Brasil, o piloto Erick Goldner será o primeiro a ter o patrocínio Shell no automobilismo virtual. A principal patrocinadora dos esportes a motor no mundo premiou o vencedor da prova comemorativa do 15º aniversário da Porsche Cup.

Goldner, 34, irá agora correr com as cores da Shell durante a temporada de 2020 e passa a integrar a plataforma de esporte a motor da marca. Ele terá os mesmos atributos e obrigações de competidores renomados como Ricardo Zonta, Átila Abreu, Galid Osman, Gaetano di Mauro e Gianluca Petecof -além do direito de intercâmbio e experiências com todos os ativos da Shell nas pistas brasileiras.

Erick largou a primeira bateria em oitavo lugar. Na metade da prova ele assumiu a quarta posição com ultrapassagem por fora no S do Senna e nela ficou até a bandeirada.

Na segunda e decisiva bateria Erick largou da quarta posição. Sempre no pelotão da frente, o mineiro de Juiz de Fora assumiu a liderança logo na segunda volta e controlou a vantagem até o final para vencer sem sustos.

Radicado em Brasília, o piloto se dedica ao automobilismo virtual desde 2016, correndo os principais campeonatos da plataforma iRacing.


O que eles disseram:

“A presença da Shell no automobilismo virtual é uma coisa que já vem sendo desenvolvida, porque é uma plataforma que vem crescendo consideravelmente nos últimos anos. O automobilismo virtual é, talvez, a modalidade esportiva mais próxima do real que existe no mundo hoje. Nesse momento de quarentena, os principais pilotos das principais categorias do mundo têm se mantido em atividade por meio dos simuladores de automobilismo.

Desde quando a academia de pilotos da Shell foi criada em 2014, a seleção dos seus integrantes sempre foi feita por meritocracia, ou seja: o desejo de proporcionar um plano de carreira para aqueles que tem talento. Independente das questões financeiras e comerciais. A partir de agora vou acompanhar mais de perto o Erick, vencedor da seletiva para piloto virtual da Shell.”

Vicente Sfeir, gerente de patrocínios e motorsport da Raízen

“É indescritível, primeiro porque esse não é um carro que eu sou acostumado a guiar. Queria muito mostrar serviço no Porsche. Treinei bastante durante a semana, cheguei ao meu limite nesses três ou quatro dias de treinos. Sei que tinha alguns mais rápidos, mais acostumados com carro. Mas é o que sempre falo nos meus campeonatos e em corridas que já ganhei: só ser o mais rápido não é suficiente.

Tem que ter consciência, saber guiar, calma, respiração bem-feita durante a corrida toda para sustentar o ritmo e prevenir possíveis acidentes. Na corrida todo mundo quer ganhar, disputar posição e botar lado a lado. Às vezes saber esperar o momento ideal e atacar na hora certa é primordial. Eu fiz isso.

A gente sabia que tinha que vir pra completar bem a primeira bateria, para poder ir bem na segunda e tentar disputar até o final e colher os corpos que fossem caindo no caminho. Foi uma estratégia que acabou dando certo.

Fiquei muito cansado porque este carro exige muito da gente, muito do braço, muito psicologicamente pois é um carro que não aceita erros. No finalzinho os braços não estavam mais aguentando, principalmente pelos 30 minutos de quali, depois mais 30 minutos de cada corrida... E eu estava tentando não cometer erros no fim e sensacional: deu vitória. Estou muito contente em ganhar essa prova e ser o representante da Shell nos simuladores”.

Erick Goldner, novo piloto da Academia Shell Racing