Eae, tudo bem? Semana passada podemos dizer que por aqui rolou o episódio de torneio quando começam as lutas mais pesadas e finalmente vemos o protagonista sair no soco contra o vilão do arco, então, hoje a coisa vai mais na onda do "episódio de praia".



O Waka Talk de hoje vamos voltar na década de 2000 e passar por alguns sons que moldaram caráter, ou penas fizeram eu ouvir músicas na TV, assim como muita gente. Provavelmente a mistura de gêneros estranhe mas era assim que a vida tocava, literalmente.

Weezer

A banda do nerd tentando ser legal, ou algo assim pela época deveras maldosa, Weezer começa a lista pois Berverly Hills começa com uma leveza boa para dar o start, e indica haver potencial ecchi. De certa forma era também indicio para os nerds da época que eles podiam viver normal e ter ato rebelde como dar uma festa na Mansão Playboy e ser bem quisto por aquelas que normalmente o desprezariam, fora do período de provas...


Guns N Roses

Por mais que não seja da década de 2000, foram nos anos de ensino médio que Guns N Roses entrou com tudo na minha vida e tirou um passado nebuloso da existência. Mudar do lado funk da cidade para o lado civilizado (piadinha sadia ai po) fez eu me jogar de vez no hard rock. Ironicamente um dos comerciais que mais ficavam na minha cabeça era o do Greatest Hits do Guns nos intervalos do O+ (eu sei que você pensou "sdds Feiticeira/Tiazinha").

"Sweet Child O Mine" não é clichê ou apenas um clássico foda, é obrigação!


Velvet Revolver

Se você ama hard rock e Guns, inevitavelmente, foi levado ao Velvet Revolver e seu surgimento no inicio da década na época. Talvez inicialmente vista como "Slash e amigos" para logo você notar que era praticamente o Guns N Roses, mas sem o Axl cantando. Scott Willand, Slash, Duff McKagan e Matt Sorum. Izzy Stradlin também fundou a banda mas acabou sendo substituído mais tarde por Dave Kushner.

A banda fez muito sucesso e praticamente foi o último respiro do hard rock viver com alguma novidade, no entanto, acabou indo água abaixo com o retornos dos vícios de Scott. Muito provavelmente você os conheceu com "Fall to Pieces"


AngrA

Talvez a melhor pior influência que tive com o tanto que martelaram Carry On na minha cabeça, no entanto, foi aceita na primeira audição virando um hino para a vida. Mas como estamos falando da década de 2000 duas músicas me marcam no "Temple of Shadows" do Angra: Spread of Fire e Wishing Well. Foi a segunda música que o clip tocou muito, mas muito mesmo, em meio a tentar desbancar os gringos no famoso canal de música que hoje está morto na TV fechada.


Symbols

Devo confessar que me estranhava o Edu Falaschi ser o vocal do Angra por também fazer a infeliz comparação com o saudoso André Matos. Com o tempo deu para conhecer o ser humano Edu Falaschi, que HOMBRE, e me emputecia mais quando descobri o Symbols. Como ele cantava mais a vontade na banda e justificava ele estar onde estava no Angra. Para o bem dele, a carreira solo seguiu e com um nome de peso para nós hoje em dia. Desculpa, Paquito.


Lacuna Coil

Apesar de ser mais para o final do ensino médio e inicio de faculdade, em algum momento tocar guitarra inevitavelmente me levaria a um mundo desconhecido até certo ponto: femele fronted. Entre os sons que conheci e outros que acabei entrando em banda cujas vocalistas desejavam cantar algo que era totalmente oposto a sua voz(!!), em uma dessas onde a moça queria cantar Simone Simons mas a voz era perfeita para Cristina Scabbia, conheci Lacuna Coil e uma waifu.

"Karmacodes" acabou sendo uma grande companhia, assim como "Heaven's A Lie". É difícil escolher uma música sendo que "Closer" e "Enjoy The Silence" eram minhas favoritas do Karmacodes, no entanto:


Epica

Ironicamente quando você conhecia essas moças jovens e com leves desequilíbrios emocionais devido a juventude cheia de ação, você acaba caindo em muitas vertentes/bandas que elas curtem, e talvez você esteja na banda com elas!! Uma antiga amiga apresentou a Barbie Ruiva do metal, Simone Simons. O Epica não me cativou e apenas uma música me marcou. As outras ouvia caso precisa tocar com a banda.


Nightwish

Nightwish se encaixa também no contexto acima, no entanto, se encaixa mais no contexto inicial de músicas bombando na TV. Dificilmente alguém não viu um clip na neve com uma moça tão branca quanto e com um riff muito marcante. se você nunca ouviu Nemo e é da minha geração, bem vindo de volta do coma, pena que acordou numa hora que não dá pra sair de casa.


Within Temptation

Para fechar as gringas do metal o Within Temptation tem uma história curiosa. Dessa vez não envolve banda pois quando ameaçou tocar, geral desistiu por motivos de voz que não alcançaria nota de forma a ficar bom para tocar em eventual show. O último ano do ensino médio foi literalmente de acontecer de tudo um pouco e onde dominava a galera do funk e pagode, e poucos fora dessas rodas, sobravam uns amigos de cabelo cumprindo (ah, vá), eu e meia duzia com gosto musical fora do padrão da escola.

Bem vindo ao ensino estadual, galera dos colégio particular da vida.

Na turma do primeiro ano, que tínhamos amizade por causa dos treinos de vôlei na escola, uma amiga delas que não treinava, realizou seu aniversário de 15 anos totalmente trabalho no "gótica trevosa". Um amigo recebeu da namorada, que foi para a festa, o CD "lembrancinha". ali continha muitas bandas desconhecidas por mim, e totalmente fora do gosto da galera "Furacão 2000". A banda que mais se repetia pelo CD era o Within Temptation e Angels facilmente me ganhou.


Shadowside

"Ah mas você falou que era a última". Última gringa, e até onde sabemos a santista Dani Nolden e sua banda, Shadowside, são brasileiros. Shadowside apareceu nesse período final dos anos 2000 pois em Santos ainda houve um movimento legal para bandas pesadas terem alguma vida. Obviamente eles deram certo profissionalmente, enquanto eu e uma galera ficamos nos quartos ou os poucos de mais sorte, nos shows covers.

A Shadowside também teve um pouco da sua carreira passando por nossas atividades blogueiras, então, é bairrismo² fortalecendo algo que também é bom de conhecerem.


Charlie Brown Jr

Se vamos falar da música popular caiçara preciso te dizer que cara você não sabe o que aconteceu, os caras do Charlie Brown invadiram o país. Com Chorão e amigos sendo figuras que as vezes conseguíamos ver na cidade, além da TV, não era tão complicado demais mas também nem tão simples assim. Sem dúvidas o CBJR fez muita gente curtir acústico, afinal, eles simplesmente possuem o melhor acústico da MTv em todo o mundo. Quem discorda é bairrista ou tem mal gosto ou não tá surdo mesmo. Vícios e Virtudes foi uma músicas que a versão acústica me acompanha até hoje.


The Strokes

Para encerrar essa coletânea mais eclética que a galera do "eu ouço de tudo, mas..." vamos de Strokes. Julian Casablancas e seus capangas (o baterista é brasileiro, dica) tiveram muitas boas músicas na década, e praticamente todas embalaram na TV com seus clips. Mas em tempos que vivemos o nome de uma música nunca foi tão forte, mais forte até que a galera que segue esse filosofia para fazer coisas erradas. Quem nunca disse, ou ouviu, alguém dizer: "só se vive uma vez" (You Only Live Once).


E se você quer ouvir no Spotify em vez de dar play em vários vídeos, receba esse bônus:


Nossa quarentena segue e esperamos que logo venha alguma notícia boa para respirarmos, mesmo de mascará. Até semana que vem.