Nesta quinta-feira (21) a cantora Lady Gaga participou de uma longa entrevista com a Apple Music para falar sobre seu novo álbum, Chromatica. Com lançamento adiado para 29 de maio, Gaga falou de tudo um pouco: a história de origem de algumas músicas, como foi trabalhar com o mentor Elton John, e com Ariana Grande em "Rain on Me". A ideia de sobriedade, e o abuso sexual que a cantora sofreu de um produtor musical cujo nome não foi revelado, também entraram na roda dos temas.
Decidindo adiar o lançamento de Chromatica

"Tem sido um período muito difícil para muitas pessoas. Nós adiamos o lançamento do álbum e tudo que estávamos fazendo, pois eu queria ser mais específica", disse a cantora à Zane Lowe, da Apple Radio. "Eu queria fazer algo para ajudar o mundo. E trabalhar com a Organização Mundial de Saúde, e a Global Citizen foi uma forma de falar sobre bondade, e as coisas em que acredito, de uma maneira muito focada, ao contrário de uma forma mais abstrata, o que para mim é Chromatica".

Em parceria com a OMS e a Global Citizen, Lady Gaga anunciou o especial One World: Together at Home. Além de contar histórias de sobreviventes, e homenagear os profissionais na linha de frente contra o novo coronavírus (Covid-19), tivemos muita música com dezenas de cantores. O resultado foi uma lista de dez excelentes momentos, um deles (claro), cortesia da própria Gaga.

O que é Chromática?

A cantora descreve o álbum como uma "bela abstração" da sua percepção do mundo. Isso inclui as imagens muito literais no vídeo de "Stupid Love", que ela diz ser indicativo das divisões globais que o mundo enfrenta atualmente. Embora separados, Gaga espera que os Little Monsters de todo mundo a sigam rumo ao seu novo "portal criativo para o outro reino", e sintam o amor.

"Mal posso esperar para dançar com as pessoas ao som dessa música; para entrar em qualquer espaço com um monte de pessoas tocar [essa música] o mais alto possível para mostrar quanto eu os amo", disse a cantora recentemente disse a um amigo. Para ela, o álbum é o primeiro passo pessoal para uma aceitação radical. Ao mesmo tempo, Gaga espera que Chromatica seja "uma fonte de inspiração para pessoas que precisam de cura através da felicidade, através da dança".

Falando sobre as músicas

A entrevista falou sobre as músicas de Chromatica. "SINE From Above" foi uma ajuda musical para cantora, enquanto "Babylon" fala de fofocas, uma névoa tóxica que costumava conduzir sua vida e fazê-la se sentir pequena.

Lady Gaga revelou ainda que "Free Woman" é uma faixa rara que faz referência a seu gênero, mas o faz para ajudá-la a enfrentar o que ela diz ter sido um abuso sexual. 

"Fui agredida sexualmente por um produtor musical. [A música] Combinou todos os meus sentimentos sobre a vida, o mundo, a indústria, o que eu tive que comprometer e passar para chegar onde estou", diz ela. "E eu tive que colocá-lo lá. E quando finalmente pude celebrar, falei: 'Sabe de uma coisa? Não sou nada sem uma mão firme. Não sou nada a menos que saiba que posso. Eu ainda sou uma coisa mesmo sem ter um homem. Sou uma mulher livre".

E a parceria com Ariana Grande?

A cantora diz que "Rain on Me" foi o resultado de uma parceria real, e conta uma história engraçada. 
"Agora tudo que você gosta enquanto canta, quero que você esqueça e cante. E, a propósito, enquanto estiver fazendo isso, vou dançar na sua frente", lembra Gaga. Após "travar" e ficar sem saber o que fazer, ela conta que Ariana Grande começou a cantar "e fazer coisas com a voz que era diferente".

"Quando ela entrou no estúdio, eu ainda estava chorando e ela não. E ela disse: 'Você vai ficar bem. Me liga; aqui está o meu número'", diz Gaga. "E ela foi tão persistente. Tentou repetidamente ser minha amiga. Eu tinha vergonha de passar o tempo com ela, pois não queria projetar toda essa negatividade em algo bonito. E, finalmente, ela me chamou a atenção, dizendo: 'Você está se escondendo'. E eu estava... Então essa amizade floresceu".

Precisa dizer mais?

Trabalhando com o mestre, e sendo mestre da nova geração

A entrevista também aborda Gaga trabalhando com seu mentor, John, e apoiando artistas mais jovens, incluindo Billie Eilish, para quem ela escreveu uma carta como gesto de amor. "Eu amo todos esses artistas mais jovens. Estou lá por você. Amo você. Não estou competindo com ninguém", diz ela. "Quero que todos ganhem. Sou apoio. Quero apoiar e amar, mas é assim que me sinto em relação ao mundo. Geralmente eu sinto que a minha rebelião na vida é quase como um aborrecimento para as pessoas".

Curtiu o resumo? Você pode assistir a entrevista completa nesse link.

Via Billboard