Estamos vivendo a era dos retornos e um apelo a nostalgia no qual sofre um desafio muito grande, e que por muitas vezes, os envolvidos aparentemente esquecem: agradar o fã antigo e cativar uma nova geração. Streets of Rage 4 veio com um desafio duplo pois mais do que os pontos citados, o game ainda vem com uma esperança para os amantes do beat 'em up verem o gênero tendo chance de retornar aos games após serem substituído pelo musou, a versão mais "shonen" do gênero. Será que a Sega conseguiu trabalhar nesses aspectos? Vamos conferir.

O que é Street of Rage

O clássico Streets of Rage, chamado de Luta sem Luvas (ベア・ナックル Bea Nakkuru) no Japão, é uma trilogia no gênero beat ‘em up que ficou famosa por sua jogabilidade atemporal e músicas eletrônicas dançantes. Streets of Rage 4 aproveita a jogabilidade da trilogia clássica e incorpora novas mecânicas, gráficos desenhados à mão e uma trilha sonora mítica.

Uma série icônica como Streets of Rage conta com personagens também icônicos: Axel, Blaze, Adam e outros veteranos se reuniram para fazer uma verdadeira faxina nas ruas. Com golpes inéditos e músicas iradas, nossos heróis estão prontissimos para bater em vagabundos incautos mais uma vez.

A nova era

Passado 25 anos e o novo desafio: como trazer de volta uma franquia forte de um gênero que está esquecido? Literalmente a Sega voltou no tempo para até ela mesmo buscar elementos e o espírito da equipe de desenvolvedores na época da trilogia que deu o pontapé na série, e, conseguir dar uma nova vida ao beat 'em up.

O final dos anos 1980 e boa parte dos anos 1990 os jogos de briga de rua (o nome popular dos beat 'em up) foram uma febre com grandes nomes na época com uma trinca muito famosa no Brasil com Final Fight, Double Dragon e Streets of Rage. Cada série teve suas particularidades para ter um público mais fiel. Um dos diferenciais do game da Sega foi sua vida inteira no console, com direito até a bundles que o jogo vinham na coletânea 6 em 1.

Com o último lançamento em 1994 com Streets of Rage 3, em Streets of Rage 4 podemos ver que os principais elementos que fizeram os games originais se tornarem o sucesso e clássico que são hoje em dia, muito bem adaptados para a era que estamos vivendo com os games. A pixelart evoluiu para um visual mais próximo aos quadrinhos de forma muito linda de ver, e principalmente jogar e dar sequência a essa aventura que se passa 10 anos após o último game.

Combando vagabundo

Power Geyse!! Pera, jogo errado

Uma das grandes novidades em Streets of Rage 4 é o sistema de combo que vem para reforçar os combates com um toque genuíno dos jogos de luta atuais. Essa singela adição faz uma diferença enorme para empolgar as jogatinas e que ficam ainda melhor jogando com cooperação com amigos, seja online ou no offline.

Cada personagem possui um estilo de combate e golpes especiais para auxiliar nos combos, além do clássico movimento especial que sacrifica uma parte da barra de vida. Com os bounces sendo realidade em combate, as possibilidades e extensões dos combos são muito grande. Mas se você acredita que isso é exagero, bem, tem um menino novo que sabe umas coisas e outros de jogos de luta que vai nos ajudar a ilustrar:

Se o Justin Wong está fazendo esses estragos, imagina o Sakonoko

Com todo esse trabalho e elementos presente no retorno de Streets of Rage 4 a Sega conseguiu realizar muito bem o trabalho de resgatar a franquia e dar um sonhos para os fãs de briga de rua. O game vem com uma boa quantidade de fases para o modo história, resgata o modo versus e dependendo da plataforma vem com forte suporte para o cooperativo acontecer sem problemas para os envolvidos.

Se você queria um ótimo game para entreter nesse período diferente da vida, Streets of Rage 4 é uma escolha que pode ser feita sem medo de ser feliz, apenas vai ajudar a perder ainda mais a noção das horas no dia com o tanto que o game nos envolve.

A versão testada foi a de PC