A vida na quarentena parece ser fixada pautada e datada desde que virou padrão, afinal, após um final de semana que você se recupera da semana anterior, a segunda-feira tem vindo com alguma bomba relacionada a vida na web, e olha só, para variar a Twitch começa a semana sendo bem discutida com os bans para quem ouviu músicas nos últimos três anos.



O caso

Em 7 de junho, uma onda de streamers populares da Twitch, incluindo Fuslie e Jakenbake, ficaram surpresos ao descobrir que seus canais receberam avisos de direitos autorais de músicas em seus vídeos - com alguns deles com mais de um ano de idade.

Um punhado dos principais streamers da Twitch receberam os avisos quando a plataforma parecia ter sido atingida por várias reivindicações da DMCA em todo o mundo. Curiosamente, muitas das supostas infrações ocorreram há mais de um ano.

Atormentados, muitas personalidades foram às mídias sociais para revelar que os ataques contra eles eram pela música que tocavam em transmissões anteriores. Fonte

A Twitch sendo Twitch

É curioso como a vida da moderação da Twitch não está sendo fácil. Desde os bans em brasileirinhos pela M Word à ignorar a escapada do peito da Alinity na live, mas se manter atenta ao possível nudes ao vivo da Amouranth, a tudo chegar na criação de um conselho de moderação para ser mais transparente com seus parceiros e em pouco tempo já ter falha com um dos integrantes, a Twitch vem sendo uma montanha russa muito emocionante.

Dessa vez ela se manisfestou mais rápido sobre o caso, talvez pelas voadoras que ela tomou da pseudo comunidade gamer do bem para derrubar a Xbox Mil Grau após outra piada no limite do humor ou descriminação, ela ter pendido mais pro racismo, parece que ela aprendeu a se atentar mais rápido. Mas só isso mesmo, agora ela tá mais rápida pra dizer que não vai fazer nada e você que lute, como no comunicado abaixo:


Traduzindo: "Nesta semana, tivemos um fluxo repentino de solicitações de remoção de DMCA para clipes com música de fundo de 2017 a 19. Se você não tiver certeza sobre os direitos de áudio em transmissões anteriores, recomendamos remover esses clipes. Sabemos que muitos de vocês têm arquivos grandes e estamos trabalhando para facilitar isso."

Ou seja, lançou a famosa "te vira linda". Mas também há um detalhe, mesmo que pareça a famosa passada de pano, os serviços de vídeo e streaming sempre comentam sobre o uso de músicas sem que você tenha direito autoral para o mesmo. Tanto que é comum vermos clips ou vods com alguns trechos mutados. O problema vem da incoerência da Twitch para agir.

Anos atrás uma live do Infiltration ficou com as partes que tocava Aerosmith mutada, no entanto, olha quem mais uma vez consegue quebrar todas as regras e tocar e cantar Aerosmith na sua live:

E você tinha dúvida de que era a Alinity?

Entre os grandes que reclamaram os strikes musicais, a Fuslie, exibiu que recebeu duas advertências e que a terceira, assim como é mais comum ao brasileirinho que mexe com Youtube, seria um ban e adeus canal. Entrando em contato com a plataforma para ter ajuda, a melhor resposta que obteve foi: "te vira linda, apaga os clips ai de 5 anos de canal".


A coisa consegue ser engraçada para músicos

A diretriz musical da Twitch diz o seguinte:

Pedimos aos criadores que compartilhem apenas conteúdos dos quais possuem os direitos necessários. Transmitir ou fazer upload de conteúdo contendo músicas com conteúdo protegido constitui uma violação de nossas políticas, a menos que você possua a autoridade ou os direitos apropriados para compartilhá-las na Twitch.

Você não pode incluir músicas que não sejam de sua propriedade em transmissões ou VODs (Transmissões anteriores, Premieres anteriores, Destaques, Clipes e Uploads), a menos nas situações descritas abaixo ou, caso contrário, em situações permitidas por lei.

Observe que comprar música (como CDs ou mp3) ou se inscrever em serviços de transmissão de música não concede direitos de compartilhamento de música na Twitch. Compra ou inscrição concedem a você uma licença pessoal para acessar o conteúdo, apenas para a reprodução pessoal e privada. Fonte


Então podemos acreditar que um músico não teria problemas na plataforma, especialmente quando temos entre streamers de destaques Matt Heafy (Trivium) e Herman Li (Dragonforce)? Bem, segundo essa grande fã de Trivium que vive na live do Matt a coisa não é bem assim:


Seria ainda mais irônico isso acontecer em meio a uma pandemia, com o mundo vivendo quarentena, o consumo de streams indo mais longe que a SpaceX, por consequência o consumo de música junto, e vermos isso acontecer. A indústria musical e a Twitch protegendo seus parceiros, os dois a 80 km/h fica difícil de saber quem se supera negativamente.

Com tudo que vem acontecendo na quarentena, e pegando como parece que a galera tá mais na dúvida de renovar pra ser manter na plataforma, é mais do que hora da Twitch ser mais próxima dos seus parceiros e criadores, e ser ao menos, um pouco mais transparente para seu público. Uma hora a concorrência acerta para roubar uma boa parte do seu market share.