Olá, tudo bem? Junho chegou e nesse mês eu vou aproveitar nosso encontro de todas as quintas para realizar uma ideia que vem martelando minha mente há um tempo: revisitar os passos da Marvel na construção dos Vingadores no Universo Cinematográfico Marvel (MCU na sigla original). A cada semana vamos falar sobre cada fase até chegarmos ao embate final contra Thanos em Vingadores Ultimato. Vem comigo!


No inicio havia muitas esperanças e um plano

Apesar de existir o filme do Hulk de 2003, que vale lembrar que o inicio dos anos 2000 foram muito promissores para os heróis dos quadrinhos em especial pelo sucesso absurdo que foram X-Men O Filme (2000), Homem-Aranha (2002) e Homem-Aranha 2 (2004). Nesse período tivemos outros filmes surgindo, e bem, alguns foram ok e outros podem aparecer a qualquer momento no nosso "É ruim mas eu gostei".

O filme do Hulk de 2003 com o ator Eric Bana até tem seus acertos, no entanto, outros pontos não ajudaram muito e uma nostalgia pela época de Lou Ferrigno aconteceu. Alguns filmes ruins demais apareceram no mundos dos heróis, e assim como foi a luz verde para o gênero, os X-Men acabaram jogando a pá de call quando foi lançado X-Men 3 - O Confronto Final (2006).

Investimento em heróis era um alerta amarelo e os poucos que ainda arriscaram tiveram produções menores. É importante lembrarmos que a Marvel quase faliu no final dos anos 1990 e com isso ela vendeu direitos dos seus personagens para a indústria cinematográfica. Como ela sempre foi uma gigante dos quadrinhos com momentos de alternância com sua rival, e também gigante da área, DC Comics, é natural que o cinema talvez não fosse encarado como algo que eles poderiam ou saberiam como lucrar.

Uma boa ideia, uma execução pífia. F

O sucesso do Homem-Aranha, que também sofreu com o terceiro filme..., foi uma esperança. Estando com seus herói Serie B disponíveis, a Marvel começou um plano de médio período no qual a estrela seria o Homem de Ferro. Quando digo que os heróis eram série b a ideia não é dizer que eram irrelevantes e afins, mas sim, que não eram nomes que geravam um caminhão de dinheiro para a Marvel quando eles atuavam solo.

Exemplo disso que o mesmo Homem de Ferro que hoje é impossível imaginar ele voltar a ser o que era na época, mais de nicho e não um nome Série A de peso como foi no MCU, que dos desenhos dos anos 1990 apenas o dele teve um flop bem considerável já que houveram mudanças em suas duas temporadas, e cada uma, parecia ser metade de algo que não teve conclusão.

Quem diria que esse mesmo gênio problemático, e outrora bêbado, seria a salvação não é mesmo?

Eu sou o Homem de Ferro


Chegando ao ano de 2008 somos surpreendidos com o lançamento de Homem de Ferro. A Marvel começava sua aposta com os heróis que tinha em mão e, com Tony Stark sendo o primeiro personagem a dar a cara a tapa, o responsável por viver o personagem foi Robert Downey Jr.

O diretor Jon Favreau sentia em Downey Jr a escolha perfeita para encenar o "idiota simpático" e que a vida de Robert tinha seus paralelos com a do Homem de Ferro. Favreau nunca poderia ter sido tão certeiro quanto foi nesse dia, obrigado.

Com uma história de origem relativamente simples e com tensões que ainda pairavam a vida fora das telonas, e era comum no Estados Unidos, vimos o nascimento do Homem de Ferro ao ver como suas criações estavam financiando guerras terroristas. Downey foi muito responsável na criação da personalidade do Tony Stark do cinema e do humor no filme, sempre sugerindo ideias para Jon Favreau.

Também tivemos a primeira cena pós-créditos que deu uma esperança surreal ao nerdzinho ao pelo mundo

Arrepia até hoje partes que teoricamente não deveria arrepiar no corpo

Homem de Ferro faturou US$ 318,4 milhões na América do Norte e US$ 266,8 milhões em outros territórios, com um total bruto de US$ 585,2 milhões.

Um novo Hulk


Cinco anos após Eric Bana ter dado vida a Bruce Banner, em 2008 vimos o papel ser assumido por Edward Norton em direção de Louis Leterrier. O elenco ainda contou com a elfa da vida real, Liv Tyler (filha do próprio Sr. Aerosmith caso você não a conhecia), como Bett Ross a filha do General Ross.

O inicio de O Incrível Hulk se passa no Brasil (hi Marvel, big fan here!) e logo temos algo que seria muito famoso ao longo dos longas do MCU: uma aparição do Stan Lee. Assista a cena, melhor do que descrevê-la:


Apesar do filme não ser tão hypado quanto o de 2003, no qual alguns fatores ajudavam nisso como a fusão da NBC com a Universal, o filme foi importante para dar um passo que seria fundamental no MCU: começar a cruzar os universos, mostrar que os heróis estavam no mesmo mundo, e não, que cada filme era em um mundo diferente.

Mal sabia a Marvel que estava criando um monstro que alguns passariam a chamar de case de sucesso, e o mercado de "Formula Marvel". Algo até simples mas também muito fácil de dar errado como fomos vendo com outras produtoras e suas tentativas de universo compartilhado.

Mesmo com a recepção morna O Incrível Hulk foi considerado um sucesso por gerar um pequeno lucro, afinal, não foi um flop que ai sim seria terrível. A aparição do Homem de Ferro era para ajudar na divulgação do filme e da sequência, no entanto, essas cenas extras iriam explodir tudo quando o próximo filme fosse lançado...

Reforçando ainda mais nos detalhes sobre o Universo Compartilhado


Homem de Ferro 2 a primeira sequência do MCU

Se eu contar o que você fez, vixi...

Depois da estreia mais do que muito bem recebida e sucesso, Robert Downey Jr e amigos retornavam em Homem de Ferro 2 (2010) e com novos rostos aparecendo diretamente do núcleo russo da Marvel. Muita hora nessa calma jovens, fangirls e haters, ainda não é o parágrafo sobre Ela.

O vilão principal é Ivan Vanko, o Whiplash (uma ironia esse nome para vilão...). Assim como Robert Downey Jr teve liberdade para a personalidade do Tony Stark, Mickey Rourke fez algumas sugestões para o Chicote Negro não ser descaradamente um vilão e deixar no ar a possibilidade do público enxergar que, talvez, aquele cara com uma cacatua pudesse ser resgatado para a luz.

O vilão tinha o proposito de vingança, por sentir que seu pai havia sido prejudicado quando criou o Reator Arc junto a Howard Stark, e também mostrar ao mundo que o Homem de Ferro não era invencível. A boa luta nas ruas do principado de Mônaco não foi boa para Tony, e com sua armadura muito danificada, o filme traz alguns conflitos para criar o famoso arco do "Demônio na Garrafa" (Demon in a Bottle) no qual Tony Stark cai para as bebidas.

É aqui também que vemos Tony temer por sua vida, não contar a ninguém, promover Pepper Potts a CEO das Indústrias Starks, tornar sua assistente a jovem Natalie Rushman. Ainda temos Justin Hammer, um atrapalhado rival de Stark que acaba se aliando a Ivanko para criar trajes que pudessem bater de frente com o Homem de Ferro.

Mesmo com tantas coisas acontecendo o filme soube segurar as pontas para não se perder. Temos a aparição de Nick Fury (Samuel L. Jackson), a revelação de Natalie Rushman ser na verdade a agente Natasha Romanof, a Viúva Negra, vivida por Scarlet Johansson (ou Joranço pra quem não curte), Don Cheadle assumindo o papel de James Rhodes, e aqui, vemos o nascimento do Máquina de Combate.

Rapaz intensifies


Homem de Ferro 2 arrecadou US$ 312,4 milhões nos Estados Unidos e no Canadá, assim como US$ 311,5 milhões em outros territórios, com um total mundial de US$ 623,9 milhões.

O poderoso Thor e a abertura da "fábrica de Chris"

Se você não chorou nessa cena, Thanos estalou foi é pouco os dedos

Em 2011 o MCU recebeu a estreia de mais um herói e aqui possivelmente eu seja advogado do diabo, pois, entre certos e erros eu gosto do filme (mas tiraria um pouco os ângulos holandeses pra inclinar menos a câmera em alguns momentos). Para viver Thor, o Deus do Trovão, o escolhido foi o ator australiano Chris Hensworth, o primeiro Chris do MCU. O desgraçado realmente tinha tudo para o papel com altura, físico, as minas pira, os caras invejam, liberaram falar que ele é bonito sem mexer na masculinidade frágil de alguns que não aguentavam mais a namorada querendo ver toda hora o filme do Thor, enfim, postura para seguirmos.

Assim como viria a ser comum o Thor também teve sua origem adaptada com pontos dos quadrinhos mas com alguns elementos para cinema. Não iriamos ver o Dr. Donald Blake mas um easter egg disso foi muito bem colocado. Sem dúvidas nenhuma Asgard é um dos cenários mais lindos do MCU até hoje, até mesmo os mundos mais feios do universo do Thor são bonitos de ver.

Com um lado arrogante presente vamos conhecendo o personagem que acaba sendo castigado com a perda temporário dos seus poderes para aprender a ser menos arrogante. Agradeça a Odin (Anthony Hopkins) pelo castigo. Como uma pessoa que na infância achava legal o Thor rockstar dos clássicos filmes do Hulk para TV, a versão canastrona de Hensworth me agradou e o fdp ainda é engraçado, não dá pra competir assim ...

É aqui que temos um dos personagens mais queridos sendo apresentado, a encarnação de Loki realizada por Tom Hiddlestone. Loki ficou tão grande quanto o Thor no MCU que viria a aparecer mais vezes como o vilão que não conseguimos odiar. Ainda tivemos Idris Elba como Haimdall e Rene Russo como Frigga, a mãe de Thor e Loki.

O núcleo terrestre contou com Natalie Portman como cisne negro Jane Foster, Stellan Skarsgård como Erik Selvi e Kat Dennings como Darcy Lewis, a "Scooby-Doo" do núcleo cientista da Terra. Se em Homem de Ferro 2 fomos apresentados á Viúva Negra, em Thor, tivemos a primeira aparição do Gavião Arqueiro (Jeremy Renner)

Essa frase arrepiou ainda mais, hein! "Thor retornará em Os Vingadores"


Thor realizou sua estréia mundial no Event Cinemas em George Street, em Sydney (Austrália), em 17 de abril de 2011 com a abertura do filme em 21 de abril de 2011 na Austrália. No fim de semana seguinte abriu em 56 mercados, enquanto a estréia no El Capitan Theatre em Los Angeles, Califórnia, ocorreu em 2 de maio de 2011. Thor abriu em 6 de maio de 2011 nos Estados Unidos em 3.955 cinemas (dos quais 214 foram IMAX 3D e 2.737 em 3D, um valor recorde).

O longa arrecadou US$ 181,0 milhões na América do Norte e US$ 268,3 milhões em outros territórios, com um total mundial de US$ 449,3 milhões. Foi também o décimo quinto filme de maior bilheteria de 2011.

O Primeiro Vingador


Faltava um nome para o time principal dos Vingadores ser apresentado ao mundo, e este, tinha um desafio ainda maior. Como um herói com o nome e criação voltado para o Estados Unidos, que passava por uma baixa aceitação mundial na época, poderia conquistar os fãs e se desprender dessas ideias? A fábrica de Chris foi aberta mais uma vez.

Chris Evans teve esse desafio de mostrar ao mundo que o Capitão América era um humano acima de tudo e não um ultra nacionalista em prol do seu país em tudo. Esse também era um papel no qual ele seria um pouco mais sério do que os papéis que os marcaram de forma como o "fortinho engraçado que atua com a sobrancelha". Em 2011 estreava Capitão América - O Primeiro Vingador.

O Capitão América foi o herói que mais manteve elementos originais para sua apresentação e o tempo foi muito bem usado para fazer a mudança principal em Steve Rogers. O garoto queria defender o que considerava o certo e sendo muito franzino, não era visto como alguém útil para o exercito americano em plena segunda guerra mundial. Até que surge o projeto do Super Soldado.

O experimento dá certo e o Capitão América a principio é visto como uma piada e algo usado no marketing, até que, finalmente ele surge na guerra e se mostra útil na luta contra o Nazismo do Caveira Vermelha.

A humanidade de Steve Rogers foi algo que tornou o Capitão America no Capitão. Nunca deixou de ter o America no nome mas foi muito comum que apenas o primeiro nome acabou se perpetuando na versão cinematográfica do personagem. Quando ele foi congelado e despertou no nosso presente, o choque com tudo que foi descobrindo reforçou amarmos o personagens ou sempre querer que ele fizesse outras coisas.

70 anos se passa e ele lembra do encontro :'( gado d+

Avengers, Assemble!


Se em alguns momentos ver Os Vingadores ganhar vida parecia ser um delírio coletivo, mesmo com as frases de que o herói retornaria como um Vingador, em 2012 o mundo parou para assistir a ousadia e alegria que foi reunir Capitão America, Homem de Ferro, Thor e Hulk  para salvar a Terra da invasão Chitauris.

Sem dúvidas que esse era o momento do all win do Marvel Studios, afinal, seria o primeiro filme com a equipe e a definição se o sonho que se tornou um projeto bem ousado, seria de fato um sucesso ou iria tudo para o espaço.

Como reunir diversos heróis teria diversos desafios a história optou por um caminho seguro e o realizou de uma forma que até esquecemos que está rolando o tradicional "defenda a Terra da invasão alienígena". Os Vingadores se reúnem após primeiro passarem por conflitos, e assim, finalmente vemos os heróis mais poderosos da Terra com Capitão AmericaHomem de FerroThorHulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro.

Loki acaba sendo o grande vilão e responsável pela invasão Chitauri. Um bom lado emocional, primeira intriga de continuidade no ar com a cena do Coulson, ação linda e no final outra bomba para o fã surtar, afinal, Os Vingadores já haviam se reunido com sucesso e agora seria necessário uma ameaça digna de um super grupo:


Mas os planos rumo ao encontro do Thanos serão contados nas próximas semanas pois a primeira parte foi bem extensa. Aproveite e nos conte sobre suas memórias na época que finalmente Os Vingadores se reuniram no cinema aqui nos comentários.