A indústria de animes vem sofrendo bastante devido a pandemia de Covid-19. Ela também vem, por outro lado, faturando mais devido à crescente demanda internacional. A informação é de Yoshitada Fukuhara, produtor do estúdio 8 Million, que revelou em seu Twitter que os estúdios estão ganhando mais de US$ 150 mil (R$ 840 mil) por episódio.
Valores nada mal

No ano passado, Fukuhara publicou um tweet dizendo que um estúdio recebia em torno de US$ 142 mil (R$ 790,3 mil) para produzir um episódio. Para produzir um anime de 12 episódios, os estúdios recebiam uma soma de US$ 2 milhões (R$ 9,4 milhões).

Em tweet no último dia 22, entretanto, o produtor de Kemono Friends, Kemurikusa & cia corrigiu a informação. Segundo ele, o correto seria dizer que os estúdios estão faturando US$ 48 mil (R$ 269,3 mil) a mais do que a soma informada antes. Se o anime for sucesso, o estúdio consegue aumentar a receita com royalties. Isso significa que os estúdios conseguem inflar seus orçamentos um pouco, de forma que qualquer episódio pode custar mais de US$ 190 mil (mais de R$ 1 milhão).

A parte complicada

Fukura explicou em outro tweet que a parte mais delicada das negociações se resume aos royalties. Para solicitar royalties extras, os estúdios menores devem ter um histórico comprovado de animes os quais foram sucesso. A demanda extra também levou Fukuhara a prever um aumento nas produções domésticas: isso daria aos estúdios mais espaço para negociar com os comitês de produção.

Leia, a seguir, a tradução dos tweets de Fukuhara feita pelo Crunchyroll:

Este Tweet é de um ano atrás, mas recentemente o preço de mercado de um episódio de anime está em torno de 20 milhões de ienes. Isso ocorre porque os sites de distribuição no exterior estão focados na popularidade da obra original, do estúdio e do criador quando licenciam o séries a um preço alto, então a maioria dos pedidos está concentrada nos estúdios mais populares. Além disso, os estúdios maiores tendem a ser capazes de reivindicar royalties facilmente.

Em oposição, é difícil para os estúdios menores reivindicarem royalties. Os orçamentos gerais estão aumentando, mas os royalties feitos por meio do licenciamento da TV aberta doméstica estão mudando e desaparecendo gradualmente. A nova ideia é que, assim que uma obra original tiver um histórico comprovado, o estúdio poderá reivindicar royalties.

Para isso, a tendência no futuro será que os estúdios de produção não apenas produzam obras, mas também criem um sistema que lhes permita fazer seus próprios negócios de direitos autorais, se fundir ou ser adquirido por uma grande empresa, ou trabalhar com uma produtora. O número de trabalhos originais está diminuindo e seria bom se houvesse mais animes originais criados por estúdios.

Via CB e Cruchyroll