Boatos que hoje vamos finalmente teremos um Play no dia certo.

Por um lado, essa é a beleza do "Solta o Play" não ser mais o "Monday Metal": tecnicamente ele não tem dia definido pra sair. Mas dá uma quebrada no ritmo se o texto sai na terça ao invés da segunda. Não tem como fazer aquele começou musical bacana. Lógicas super detalhadas vindas da paranoia da Pessoa que Vos Fala™.

O Agosto das Popices™ era, a princípio, sobre músicas desse ano (exceto pela última da lista). Mas eu acabei chutando a lógica na cara quando tivemos a excelente "Control", da Halsey. Ainda assim, nas semanas anteriores viemos com outros dois sons igualmente incríveis: "Exile", da Taylor Swift, e "Sine From Above", da Lady Gaga.

Então vamos jogar a ideia pro alto de vez, e trazer outra popice de meia idade. Uma bem nostálgica, inclusive. Afinal, "Sober" da P!nk é maravilhosa demais pra gente esquecer que ela existe.

Vá lá: sim, a música é bem formulaica (momento Aurélio). Não é um som revolucionário na ideia ou na estrutura, mas quem disse que um clichê bem feito não pode ser gostosinho de ouvir? Porque esse é. Ele tem batida, o Q dançante, emoção e a voz maravilhosa da P!nk. E pudera: o "Funhouse", álbum de onde vem a música, foi composto após a cantora se separar do marido Carey Hart. Então não dava para esperar flores mesmo.

E mais do que isso: muitas músicas falam sobre sobriedade com um tom que leva você ao óbvio - imaginar que é sobre alcoolismo. Em muitos casos é isso mesmo, mas em outros a coisa é por uma perspectiva puramente emocional. (Quando não, as duas coisas) Tem fase da vida que é tão, mas tão complicada, que você pensa "saudades, sobriedade". Mas não é de bebida. É de literalmente ter cinco segundos de respira emocional.

Tô me divertindo demais com esse Agosto das Popices, podendo falar sobre um gênero que enfim eu tô explorando melhor. Sim, eu sempre adorei a P!nk, até porque o estranho seria odiar. Mas ela ficou perdida na minha memória, sabe? Então como o meu 2020 de ouvir o que me der na ideia, continua, é uma boa hora de relembrar essa crush das antigas. É, a minha lista é longa, e vem de tempos antes da gente se conhecer aqui.

Simbora.


Letra

I don't want to be the girl who laughs the loudest
Or the girl who never wants to be alone
I don't want to be that call at 4 o'clock in the morning
'cause I'm the only one you know in the world that won't be home

Ahh, the sun is blinding
I stayed up again
Oh, I'm finding
That's not the way I want my story to end

I'm safe up high, nothing can touch me
Why do I feel this party's over?
No pain inside, you're like protection
But how do I feel this good sober?

I don't want to be the girl who has to fill the silence
The quiet scares me 'cause it screams the truth
Please don't tell me that we had that conversation
I don't remember, save your breath 'cause what's the use?

Ahh, the night is calling
And it whispers to me softly, "come and play"
But I, I'm falling
And if I let myself go, I'm the only one to blame

I'm safe up high, nothing can touch me
Why do I feel this party's over?
No pain inside, you're like perfection
So how do I feel this good sober?

Coming down coming down coming down,
Spinning round spinning round spinning round
Looking for myself, sober
Coming down coming down coming down,
Spinning round spinning round spinning round
Looking for myself, sober

When it's good, then it's good
It's all good 'till it goes bad
'till you're trying to find the you that you once had
I've hurt myself, cried, never again
Broken down in agony
Just trying to find a friend
Oh