Pedro Passari como Sergio Pompeu em 'A Todo Vapor' | Foto: Felipe Reis


A ficção científica do gênero steampunk se encontra com os clássicos da literatura brasileira em “A Todo Vapor”, adaptação audiovisual do projeto spin-off de Enéias Tavares que, depois de virar livro, quadrinhos e até jogo de cartas, estreou no último dia 07 na plataforma de streaming Amazon Prime. A série independente traz em seu enredo diversos protagonistas de autores como Gonçalves Dias, Machado de Assis, José de Alencar, entre outros célebres escritores, para contar a saga de um casal de detetives solucionando mistérios no Brasil do início do século XX.


Para contar essa história e todos os seus percalços, “A Todo Vapor” conta com Pedro Passari, alinhado com a arte desde criança e que interpreta Sergio Pompeu, personagem extraído do mais conhecido romance impressionista brasileiro “O Ateneu”, de Raul Pompeia, além dos protagonistas Juca Pirama, da obra indianista homônima de “Gonçalves Dias” e Capitu, marco na trajetória literária de Machado de Assis, vividos respectivamente por Felipe Reis e Thais Barbeiro.

Passari divide a tela e boa parte da trama com Claudio Bruno, intérprete de Bento Alves, outro personagem da obra de Pompeia. Os dois vivem um casal de aventureiros, o que caracteriza um momento de representatividade na série e muito mais além - uma conexão direta com a obra literária de Raul Pompeia, conhecida por relatar o período de descobertas do protagonista Sergio em um internato para rapazes oriundos de famílias abastadas, no final do século XIX, no Rio de Janeiro, então capital do Brasil. Sendo este um outro ponto de conexão da série, do romance literário e do próprio ator, defensor da causa LGBTQIA+.

“A história é muito bacana. Transformar os personagens da literatura brasileira em super-heróis e misturá-los com a estética steampunk acredito ser o grande trunfo da série. Na construção do personagem, tive longas conversas com o Enéias (autor) e o Felipe, (diretor) para entender o que eles queriam para o produto final".

"Sergio é traduzido como um “dândi” (do inglês ‘dandy’, típico ‘mauricinho’ da Era Vitoriana, que encontra seus maiores expoentes em figuras como o boêmio Lord Byron e o escritor Oscar Wilde). Minha maior inspiração foi o Dorian, inspirado em Dorian Gray, da série ‘Penny Dreadful’. Peguei esse lado pomposo dele e traduzi em um super-herói aventureiro e ao mesmo tempo sensível” conta Passari.

Com uma trajetória ampla, que agrega inclusive a gravação de locuções e audiobooks durante a quarentena, a oportunidade de trabalhar com TV trouxe novas experiências e aprendizados para a carreira de Passari. Gravada em diversas locações, o roteiro incluiu até uma cena de voo de balão, que colocou à prova a concentração do ator. No todo, o principal aprendizado para Pedro foi o mergulho na estética steampunk e o diferente ‘timing’ da produção, em comparação ao teatro, seu habitat natural.

“Durante a pesquisa, eu procurei me aprofundar nesse estilo e fiquei encantado, pois une duas coisas que eu adoro: tecnologia e uma estética vitoriana. Figurinos garbosos, objetos feitos à mão por especialistas steampunks e uma realidade ficcional que nos fascina. Trabalhar com essa estética foi encantador!"

"Somam-se a isso, a fotografia, que é surpreendente, locações deslumbrantes e os efeitos visuais que finalizam com chave de ouro. Um produto independente e nacional de qualidade!”, celebra Pedro, que em breve poderá ser visto também na segunda temporada da série digital ‘Home Office’, de Emilio Boechat, Marilia Toledo e Velson D’ Souza, como o chef de cozinha zen, Reiki Boss.

A série conta com uma temporada formada por 8 episódios, com cerca de 20 minutos de duração cada. A produção é fruto da parceria entre a Cine Kings Produções e a Brasiliana Steampunk, sendo uma criação do escritor Enéias Tavares e do ator e diretor Felipe Reis. Além disso, a O2 Play ficou como a responsável pela distribuição da série, que conta com um elenco formado por nomes como Luiz Carlos Bahia, Thais Barbeiro, Pamela Otero, Antônio Destro, Paulo Balteiro, Claudio Bruno, Bruna Aiiso, Alessandro Imperador, Yoram Blaschkauer, entre outros.


Dos palcos para as telas

O convite para integrar o elenco de “A Todo Vapor” foi recebido em 2017 por Felipe Reis, que, além de protagonizar a produção no papel de Juca Pirama, também dirige a série. A obra foi gravada até 2018, enquanto Pedro se dividia em outros trabalhos no campo artístico. Além de bacharel em Relações Públicas, formado pela ECA – USP, ele tem também formação cênica pela Escola Incenna, e coleciona trabalhos acadêmicos e profissionais no teatro musical, tanto nos palcos, como ator, como em produção, em diferentes áreas.

Entre os musicais de seu currículo, encontram-se o recente “Silvio Santos Vem Aí”, biografia teatral do ‘Homem do Baú’, atualmente em pausa por conta da pandemia, onde se dividia entre as funções de Coordenador de Plateia e Swing, “Aparecida - O Musical”, de Walcyr Carrasco, onde também vivia dupla jornada como assistente de Direção Residente e Company Manager, uma montagem de “Hair” e o original “Na Laje”, comédia musical embalada por sucessos de pagode da década de 90, além de diversos trabalhos acadêmicos de obras de peso, como “Ópera do Malandro”. Em algumas produções, inclusive, deu vida a personagens gays, como a icônica Geni, travesti eternizada na canção “Geni e o Zepelin”, de Chico Buarque.

“Por um acaso do destino ou não, tenho feito alguns papéis em que a personagem ser gay é relevante. No musical ‘Na Laje’, eu fazia um motoboy gay completamente fora do estereótipo (e muito amado pelo público!)." 

"Em “A Todo Vapor”, esse estereótipo do gay afeminado também cai por terra. Estamos vendo um movimento grande de atores e atrizes da comunidade LGBTQIA+ se assumindo publicamente e mostrando que sexualidade, assim como ser negro, amarelo, trans, PCD, não tem nada a ver com poder ou não interpretar um papel que pode ser interpretado por qualquer ser humano”, relata o ator, também criador do Instagram @aindabemquesougay, plataforma que celebra o ‘ser gay’, propondo empatia e inspirando um olhar mais positivo ao tema por meio de publicações de autoafirmação e ajuda.


Instagram: Pedro Passari
Instagram: A Todo Vapor


Via GPress Comunicação