YoDa pretendia seguir carreira militar, mas mudou o rumo quando decidiu se profissionalizar no mundo dos games (Crédito: Fabio Piva/Red Bull Content Pool)

YoDa pretendia seguir carreira militar, mas mudou o rumo quando decidiu se profissionalizar no mundo dos games (Crédito: Fabio Piva/Red Bull Content Pool)

Indústria que movimenta bilhões de dólares a cada ano, o setor de Games mostra expansão em diversas plataformas, formatos disponíveis ao público e recordes de audiência em eventos competitivos profissionais. Aspiracional, o mercado de e-sports mexe com o imaginário de jovens que vislumbram uma carreira como a de seus ídolos. E, uma dessas portas de entrada, é por meio de eventos e campeonatos amadores.

Streamer com mais de 1.8 milhão de inscritos em seu canal na Twitch, Felipe ‘YoDa’ Noronha começou em torneios amadores até se tornar um jogador profissional de League of Legends. Campeão de LoL em 2017, o paulista quase seguiu a carreira militar, contudo, optou por se dedicar aos games e agradece as portas que lhe foram abertas.

“Esta é a oportunidade para a molecada. Campeonato amador é a porta de entrada para o ambiente competitivo. Querendo ou não, eu comecei pelos campeonatos amadores até chegar no competitivo. Então, sou super a favor. Não importa o quão bom você é, precisa ter experiência, que conta muito”, afirma Noronha, que já foi personagem da série ‘Until 18’, disponível gratuitamente pela internet, em que relembra esse momento de decisão.

Ex-participante, YoDa atualmente é um dos símbolos brasileiros do Red Bull SoloQ, maior torneio mundial de LoL x1 para amadores. Em sua sétima edição – em seis delas, a competição teve o nome de Red Bull Player One -, o evento deu energia extra para talentos nacionais que buscavam um lugar entre os profissionais. Entre eles, Julio ‘NosFerus’ Cesar, Victor ‘Steal’ Ruiz e, mais recentemente, Lucas ‘Gregio’ Vernier. Este, aliás, foi o último amador do País a ser vencedor internacional do campeonato.

“Eu não cresci apenas no jogo, mas esse evento me ajudou a socializar muito e melhorou minha comunicação no geral. Aprendi que o jogo não é apenas ser bom, tem que ter um psicológico trabalhado para manter a performance fluindo perfeitamente, além das técnicas que melhoraram meu controle de wave”, afirma Gregio.

No início de novembro, o paulista Felipe ‘BF’ Gonçalves, o fluminense Eduardo ‘Tada’ Tadashi, o mineiro Lucas ‘Päce’ Ribeiro e o gaúcho Henrique ‘Henry9’ Vieira se enfrentam em busca do título brasileiro do Red Bull SoloQ. O evento contará com transmissão ao vivo e narração e comentários de casters do CBLoL.

Enquanto ainda não chega o tão esperado momento, os fãs de LoL podem mostrar todas as suas habilidades e concorrer a mais de 6 mil prêmios por meio das latas de Red Bull com os Campeões de League of Legends. A promoção é válida até o final de outubro e pode ser acompanhada pelo https://www.redbull.com/br-pt/projects/soloq-activation .