O FIC Pangeia (Festival Internacional de Curtas Pangeia), que faz parte do 3° edição do Festival Cultural Pangeia, traz 10 curtas-metragens produzidos por cineastas e artistas de diversas regiões do Brasil, América Latina e África.


Todas as obras trazem histórias que se relacionam com o tema “Conexões Américas e África”, que conectam os povos das duas regiões em um mesmo local, mostrando o dia a dia das nações que, mesmo distantes, possuem inúmeras coisas em comum, relacionadas a construção de uma identidade cultural e social.

O público poderá assistir e votar gratuitamente acessando o YouTube do festival, até às 16h do dia 20 de novembro. “Nosso objetivo é abrir espaço para que os artistas mostrem seus trabalhos e alcancem um público que talvez em um evento presencial não fosse alcançado”, comenta Pauliana Reis diretora do festival.

Foram mais de 130 inscrições de curtas-metragens recebidas de todas as regiões do Brasil, países da América do Sul como Chile, Equador e Argentina, além de países africanos como Moçambique, nos mais variados gêneros entre documentários, ficção, animação, experimental ou híbridos com no máximo cinco minutos de duração.

Isso mostra a relevância do evento e a importância em se discutir temas universais como: racismo, desigualdade social, a vida nas periferias, questões de gênero, meio ambiente, o descaso do poder público com essa parcela da população, a luta por direitos iguais entre outros. “Ficamos surpresas e felizes com o número de produções inscritas, recebemos filmes de diversos países e isso superou nossas expectativas”, conta Priscila Magalhães produtora do festival e integrante do júri técnico do FIC.

O júri técnico teve muita dificuldade para escolher os 10 finalistas como conta a jurada Naná Prudêncio, produtora audiovisual e fundadora da Zalika Produções. “Foi muito difícil escolher só 10 trabalhos. Cada lugar tem seu olhar, sua linguagem e sua forma de fazer cinema, todos os filmes possuem muita qualidade técnica e cada um tem uma história emocionante para contar”. Já o filósofo e cineasta moçambicano Carlos Massingue, que fez parte da comissão de jurados, revela como foi participar do FIC Pangeia.

“Me senti honrado com o convite, foi uma experiência muito enriquecedora ver que a produção dos países latino-americanos não se difere muito da africana, vivemos os mesmos problemas, porém temos muita qualidade cultural em comum. As nossas identidades são muito parecidas”, concluiu. Massingue possui experiência em festivais de curtas-metragens tendo participação no Dockanema Festival Internacional de documentário, Durban Festival, Maputo African week Film, entre outros.

Além de ter feito parte do júri na comissão avaliadora do processo de seleção global, “O Chama Na Solução”, uma iniciativa criada pelo UNICEF e implementado no Brasil pela Viração Educomunicação.

Os 10 filmes selecionados pela comissão técnica para integrar o festival concorrem em duas categorias: Voto do Júri e Voto Popular. Além disso todos os filmes concorrem a uma Menção Honrosa do festival. “Cada categoria terá uma premiação diferente. O escolhido pelo júri vai ganhar um prêmio de mil reais, kit Pangeia e mixagem profissional da produtora Play It Again”, informa Pauliana.

E completa, “Nossa intenção é engajar as pessoas da periferia, então pensamos que a melhor forma do público escolher o vencedor é dando ‘like’ no curta que mais gostar. Dessa forma cada finalista terá que ativar suas redes sociais e assim gerar um diálogo com o público”. 

Os vencedores das três categorias serão conhecidos no dia 20 de novembro, às 19h em uma live no Facebook e YouTube do festival. Todos os curtas-metragens finalistas, mais três trabalhos selecionados pelos jurados e sete produções de convidados, irão compor os 20 filmes que ficarão disponíveis para o público, de graça, na plataforma Todesplay, do dia 23 de novembro a 23 de dezembro.

Para assistir gratuitamente e votar nos curtas-metragens é só acessar os links de cada produção no YouTube do Festival Cultural.


Ficha técnica:

Título: É exatamente isso
Direção: Rubia Bernasci 
Duração: 5 minutos e 56 segundos 
País: Brasil 

Título: Ontogenesis 
Direção: J J Nota
Duração: 5 minutos 
País: Moçambique 

Título: Somente Após o Descanso 
Direção: Sihan Felix
Duração: 3 minutos e 20 segundos 
País: Brasil 

Título: Se busca 
Direção: Marco López
Duração: 5 minutos e 33 segundos 
País: Equador 

Título: Nhandesy
Direção: Graciela Guarani 
Duração: 3 minutos 
País: Brasil

Título: Um Conto em Chita
Direção: Eliane Flexa
Duração: 6 minutos e 3 segundos 
País: Brasil 

Título: (Des)matamento 
Direção: Gunga Guerra
Duração: 1 minut
País: Brasil 

Título: Trava Gira 
Direção: Jonas Júnior
Duração: 3 minutos e 6 segundos 
País: Brasil 

Título: Nossas Mães 
Direção: Preta Performance - Dáda Félix, Luanah Cruz, Rodrigo Severo, Tarcilla Thaís e Vinícius Soares
Duração: 5 minutos 
País: Brasil 

Título: Se José Fosse Deus?
Direção: Aryani Marciano 
Duração: 2 minutos e 5 segundos
País: Brasil 


Sobre o Festival Cultural Pangeia

O nome do festival é uma referência a Pangeia, que era o grande continente, a primeira crosta terrestre que existiu antes da separação que formaram os seis continentes que conhecemos hoje: África, Ásia, Europa, Oceania, América e Antártida. Apesar das divisões continentais, a proposta é a união das culturas, influenciada e construída a partir de intervenções artísticas com diversas atrações e o mapeamento de artistas.

O Festival Cultural Pangeia foi contemplado nos anos de 2016 e 2017 pelo Programa VAI da Secretaria de Cultura de São Paulo. Na atual edição o festival foi contemplado em 2019 no 4º Programa de Fomento a Periferia com o projeto “Conexão Américas e África”, relacionando a influência da cultura Afrodiaspórica nas Américas.

Serviço:


Redes Sociais:


Instagram - @festivalpangeia

YouTube – Festival Cultural Pangeia

Via CHPress