Na última segunda-feira (14) o Super Smash Bros. Code of Conduct anunciou a sua separação. O grupo, formado em maioria por membros anônimos da comunidade, trabalhava para manter uma estrutura coesa da mesma. A decisão foi tomada por algumas razões, mas um dos principais fatores é que o time é tão pequeno, e a lista de alegações tão grande, que poderia levar anos para o grupo investigar tudo.


Tem sido tempos difíceis para o competitivo de Super Smash Bros., desde lidar com a pandemia de Covid-19, torneios fechados pela Nintendo e diversas denúncias de assédio sexual. Não bastando, Josh Kassel, membro do Code of Conduct, citou a hostilidade enfrentada pelo grupo, um fator que também influenciou a decisão. Segundo ele, alguns membros mais conhecidos foram perseguidos, mesmo sem ter ligação com as pessoas envolvidas nos casos.

Agora, a pequena equipe concluiu que a tarefa é “grande demais para ser sustentada apenas pela fé e força de vontade”.

Com o fim do Code of Conduct, os ex-membros estão encorajando todos, de organizadores de torneios a jogadores locais, a responsabilizar os outros quando perceberem um comportamento impróprio ou perigoso. Para isso, o código de conduta montado pelo CoC permanecerá disponível ao público em forma de documento. Junto com dois advogados, o grupo elaborou diretrizes abrangentes e bem pesquisadas.