A música pop mudou para sempre no dia 13 de fevereiro de 1981 com o lançamento de Face Value, primeiro álbum solo de Phil Collins. Após a esposa pedir o divórcio em 1979, o britânico começou a escrever o álbum durante uma pausa nas atividades do Genesis. O álbum foi um sucesso, ficando em primeiro lugar na UK Albuns Chart por três semanas, e chegando ao sétimo lugar da Billboard 200.


O contexto

Em 1978, Collins era integrante do Genesis há quase oito anos. Foram cinco anos como baterista para assumir os vocais da banda em 1975, após a saída de Peter Gabriel. Veio a turnê de promoção do álbum ... And Then There Were Three, e sua esposa Andrea deu o ultimato. Como quase não passava tempo com a família, se Collins saísse em turnê, Andrea não estaria em casa quando ele voltasse. E assim foi.

As gravações de Face Value aconteceram na Town House de Londres entre junho de 1980 e o início de janeiro de 1981. As oito faixas se transformaram em 16, e numa decisão considerada controversa para a época, Collins incorporou uma sessão de metais R&B. Como? Contratando a Phenix Horns, que tocou com o Earth, Wind & Fire.

Face Value Foi totalmente produzido por Phil Collins, com Hugh Padgham como produtor assistente. Futuramente, Padgham iria produzir alguns álbuns solo de Collins e do Genesis na década de 80.


O estilo

Segundo Phil Collins disse ao Wheater Report, o estilo musical simples de Face Value é por causa dele gostar de melodias simples e música negra. Em outra controvérsia, o cantor usou no álbum uma bateria programada, ao invés de uma bateria de verdade. Apesar da boa reputação como baterista, o britânico disse que queria experimentar sons diferentes no álbum.

O resultado é a diversidade. Face Value vai do pop ao rock, com a base de muitas faixas no R&B e um pouco de influências funk.

Em I'm Not Moving, Collins gravou os back vocais usando um vocoder. Droned e Hand in Hand são instrumentais puxados para o rock progressivo: a primeira apresenta um som de raga indiana, e a segunda tem elementos de jazz. Hand in Hand tem ainda um coral de crianças negras de Los Angeles e a participação da Phenix Horns.

The Roof Is Leaking tem elementos Delta blues e country. Behind the Lines parece familiar? Não é por acaso: a faixa foi originamente gravada pelo Genesis no álbum Duke. Aqui, ela ganhou uma roupagem RB&/funk.

O vocar de Tomorrow Never Knows, dos Beatles, inclui instrumentos e vocais tocando ao contrário, pouca bateria e os back vocais de Collins em várias camadas. Quando a música termina, é possível ouvir ele cantando Over the Rainbow, em referência ao recente assassinato de John Lennon. Esta última música não está listada na maioria dos lançamentos do álbum, e seria a única vez que Collins usou uma faixa oculta em um álbum solo.



E toma mais contexto

Quatro faixas não entraram na no álbum: Misunderstanding e Please Don't Ask apareceram em Duke. How Can You Just Sit There evoluiu para um dos maiores sucessos da sua carreira: Against All Odds (Take a Look at Me Now), de 1984. A última faixa se transformaria em Don't Lose My Number, que só apareceu 1985 no álbum no álbum No Jacket Required - e numa das semanas do Solta o Play de janeiro.


Mais do que música: arte de todas as formas
 
Phil Collins considerou Face Value um projeto altamente pessoal. A icônica capa é para simbolizar o ouvinte "entrando na sua cabeça". Reforçando ainda mais a natureza pessoal do registro, o cantor escreveu à mão todas as notas do encarte, até mesmo as declarações legais na etiqueta central do disco. O close-up facial e as notas escritas à mão se tornariam um tema dos álbuns subsequentes de Collins até Dance into the Light, de 1996.

Fun fact: no remaster do álbum lançado em 2016, a icônica capa foi lançada com o rosto do cantor nos dias atuais.

 
Sucesso 

Além do sucesso na UK Albuns Chart e na Billboard 200 norte-americana, Face Value alcançou  primeiro lugar na Suécia e Canadá, e o segundo lugar nas paradas da Austrália. Alemanha e Suíça. O principal single do álbum, In The Air Tonight, chegou ao segundo lugar da UK Singles Chart. A faixa se tornou um sucesso da música e da cultura pop, graças ao arranjo de bateria e uso de reverberação.



Formação

Mesmo Phil Collins tendo cuidado de quase todos os instrumentos, Face Value tem uma grande lista de participações especiais. A mais icônica é do guitarrista Eric Clapton. Outro destaque é Daryl Struemer, que futuramente se tornaria um colaborador frequente. Veja, a seguir, a lista completa de convidados:

- Daryl Stuermer - guitarras (1, 2, 3, 6, 7, 9, 11, 12), banjo (4), violão de 12 cordas (5)
- Eric Clapton - guitarra (4, 11)
- Joe Partridge - guitarra slide (4)
- John Giblin - baixo (1, 9, 10, 12)
- Alphonso Johnson - baixo (2, 3, 6, 7, 11)
- L. Shankar - violino (1, 5, 7, 12), tamboura (5), "bateria vocal" (5)
- J. Peter Robinson - Prophet-5* (3) (*sintetizador)
- Stephen Bishop - vocais de fundo (2)
- Arif Mardin - arranjos de cordas (8, 11)

Phenix Horns
- Don Myrick - saxofone tenor (3, 6, 7, 9, 12), solo de sax alto (11)
- Louis Satterfield - trombone (3, 6, 7, 9, 12)
- Rahmlee Michael Davis e Michael Harris - trombetas (3, 6, 7, 9, 12), flugelhorns (11)
- Ronnie Scott - solo de saxofone tenor (7)

- Preparação musical - Maurice Spears
- Outros vocais de fundo nas faixas 6 e 12 de vários coros infantis de Los Angeles
- Strings nas faixas 8 e 11 conduzidas por Martyn Ford
- Violinos - Gavyn Wright (líder), Bill Benhem, Bruce Dukov, David Woodcock, Liz Edwards, Irvine Arditti, Ken Sillitoe, Peter Oxen e Richard Studt
- Viola - Roger Best, Brian Hawkins e Simon Whistler
- Violoncelo - Tony Pleeth, Clive Anstee e Nigel Warren-Green
- Contrabaixo - Chris Lawrence


Tracklist

Lado A
1. In the Air Tonight - 5:34
2. This Must Be Love - 3:55
3. Behind the Lines - 3:53
4. The Roof Is Leaking - 3:16
5. Droned - 2:49
6. Hand in Hand - 5:20

Lado B
7. I Missed Again - 3:41
8. You Know What I Mean - 2:33
9. Thunder and Lightning - 4:12
10. I'm Not Moving - 2:33
11. If Leaving Me Is Easy - 4:54
12. Tomorrow Never Knows - 4:15
13. Over the Rainbow" (não listada, exceto na fita cassete WEA 1981)


Clipes




Vamos ouvir?