Faz tanto tempo desde o último "Vale a pena assistir", que nem eu lembro quando foi. Hoje eu quero falar sobre algo interessante: Vanitas no Carte. O anime estreou no dia 3 de julho, e adapta o mangá de Jun Mochizuki - autora de obras feito Crimson-Shell e Pandora Hearts. Ao todo Vanitas terá 24 episódios, os três primeiros já exibidos. Daí você me pergunta: quais são as primeiras impressões? Vale a pena assistir?


A resposta rápida

Sim.


A resposta demorada

Vanitas no Carte tem ação e cenas "de terror", e muitos momentos de humor. Isso me surpreendeu, e lembrou o MCU pelo tanto de piadocas nos primeiros episódios. Algumas vezes parece exagero? Várias. Chegou a me incomodar? Sim. Mas quando acabou o terceiro episódio eu fiquei pensando "é... eu gostei", pois o conteúdo que não é humor compensa os momentos A Praça é Nossa.

(Quando eu disse sobre humor é isso, tipo muitas caras e bocas)


Sobre o que é o anime?

A história fala sobre Vanitas, um vampiro que nasceu numa noite de lua azul. Isso não é normal entre os vampiros, e sim um sinal de mau augúrio, por isso Vanitas foi expulso do meio da sua própria raça. Sozinho e com medo, ele criou o Livro de Vanitas, um grimório amaldiçoado que um dia traria sua vingança sobre todos os vampiros. 

Hora de viajar

O anime nos apresenta ao Noé, um jovem viajando para cidade de Paris no século 19 a fim de encontrar o tal livro. Eventos repentinos e inesperados fazem Noé conhecer o Vanitas! Ou quase: ele é um doutor especializado em vampiros, mas apenas humano. E assim a história começa.

(O Vanitas é tipo a definição de Meu Canalha Favorito)


Interessante

O início de Vanitas estabelece bem o mito do vampiro da lua azul, e a guerra que existe entre os vampiros por causa do grimório. O cenário ser a França das antigas combina demais com esse tipo de história. Eu gostei do traço e das animações, e as cenas creepy me agradaram bem. Não tenho nada a reclamar. 

A trilha sonora também é muito boa. Ela é animada de um jeito boêmio e aristocrata, uma coisa bem francesa mesmo. Foi um dos pontos fortes desses primeiros episódios.


Acabou cativando

A mitologia de Vanitas no Carte me deixou curiosa, o que é inédito porque eu não curto lore de vampiros. Eu gostei, entretanto, da ideia de um vampiro que nem os vampiros acham boa coisa. 

Spoiler: um dos arcos do mangá se chama Beast of Gevaudan. Ironicamente, esse é o nome de uma das músicas do novo álbum do Powerwolf, que está ótimo. E como eu adoro detalhes, mais isso me cativou. Ah! A "Paris dentro da Paris" também me chamou a atenção. Assistindo você vai entender.

(Já o Noé faz literalmente essa coisa de luz x trevas com o Vanitas)

Bons personagens

Os personagens são cativantes de um jeito esquisito. O Vanitas em especial, age de um jeito que justifica quando é chamado de canalha, risos. Com as tiradas de humor, no fim do dia ele esconde com sucesso a sua verdadeira natureza. Ao mesmo tempo que isso me irrita, atraiu a minha curiosidade.

Os outros personagens são legais. Nada muito 'oh meu Deus' para mais, ou para menos. O Noé me deixou (!) por ter um nome hebraico, e você não vê isso todo dia num anime. Ele tem bom coração, habilidades especiais e um passado que o anime mostra apenas pedaços. Isso deixa ele misterioso, e mesmo não sendo tanto quanto o Vanitas, você se interessa em descobrir mais da história dele.


Resumindo

Vanitas no Carte teve um bom começo. É bizarro sem ser pesado, e divertido sem ser besta. Será que vai ficar mais pesado? Tem chance, pois a classificação etária é R 17+. Ainda assim eu tô na dúvida se vai ser um Castlevania de pesado. Tô curiosa. Em todo caso, considerando as primeiras impressões, vale a pena assistir.