Alô você. É, hoje a gente tem review de um jogo muito legal.

Sucesso no PC, My Time at Portia acaba de ser lançado para Android e iOS. Nesse RPG de simulação 3D, o seu personagem herda a oficina do pai ao viajar para cidade de Portia. Lá você poderá criar e construir para se tornar o melhor construtor da cidade. O jogo tem um sistema de amizades e até romance com outros personagens. Existem ainda combates contra monstros em ruínas pós-apocalípticas, enquanto você desenterra a verdade sobre a antiga civilização.

Um clássico RPG

Não, o nome da minha oficina não se chama Red Room. Calúnias.

A base do jogo é o que você encontra em qualquer RPG. Tem sistema de melhoria de habilidades com pontos, farm de recursos e crafting de itens, atividades com gasto de energia, HP, dormir, etc. No início você pode criar um personagem homem ou mulher, com uma quantidade considerável de opções para personalização.

Primeiro ponto interessante


O sistema de relações é bacana: você conhece pessoas, e a lista fica no menu Social (acessado abrindo o inventário). É possível interagir com elas, dar presentes e aumentar o nível de relação. Os romances eu não vi enquanto joguei, mas é algo no qual eu tenho interesse. No jogo de PC existe romances com personagens do mesmo sexo. Tô curiosa de ver se também trouxeram isso para o mobile.

Instruções dão uma força bem-vinda


Sempre que você topar com algo pela primeira vez, o jogo vai dar instruções escritas. Um exemplo: como usar a Mesa de Trabalho. Fechou as instruções e deu branco? Toque na engrenagem, selecione Ajuda, e ai estão todas as instruções desbloqueadas até o momento. Descobri isso na marra, porque eu sou super impaciente lendo coisas, aí na hora que eu preciso saber daquela informação, fico "ué". Então ponto a favor do jogo

Mesmo o jogo é intuitivo na forma de te indicar o que fazer, onde e com quais materiais. Outro exemplo: um disco de cobre é feito no Transformador. O jogo vai te explicar como fazer o transformador, onde encontrar os materiais necessários, como fazer o disco de cobre, e os materiais. É bem legal isso.

Segundo ponto interessante


My Time at Portia tem um recurso ao melhor estilo Google Maps. Com ele você abre o mapa e marca um ponto, e o seu personagem vai correr automaticamente até ele. Isso ajuda demais principalmente no começo, que você anda a pé. É possível desmarcar o ponto e selecionar outro, ou interromper a corrida de forma simples, como pulando ou andando para direção oposta. 

Comandos simples... Ou quase


O game tem comandos realmente intuitivos: andar, arrastar pra cima para correr, pular, rolar, e usar itens/mão vazia. Só um eu não gostei: a câmera, onde você arrasta para a direção que quer andar ou olhar. (Lembra o Free Fire) A solução é ir nas configurações e reduzir a sensibilidade da câmera X e Y até você ficar confortável. No meu caso ajudou bem.

Veredito

My Time at Portia oferece uma experiência agradável, divertida e imersiva. Na primeira vez que eu abri o jogo, fiquei 1 hora sem sentir. A sonoplastia é bonita, e realmente transporta você para o universo do jogo. Tem até sistema de estações e clima! Num dia eu joguei com sol, e de repente amanheci em outro dia com tempo nublado, chuvoso e raios.

Em My Time at Portia você decide a sua aventura. Pode ser explorando, juntando itens para criar coisas, conhecendo as pessoas. Numa indústria que adora jogos competitivos, ter um jogo onde a diversão depende só de você é perfeito.


My Time at Portia
Gênero: simulação
Desenvolvedor: Pixmain
Preço: R$ 44,90 (30,90 na primeira semana*)
Mais detalhes: Google Play, App Store

(*preço normal e promocional para versão de Android)