Depois do atraso de mais de um ano devido à pandemia de COVID-19, 007 - Sem Tempo Para Morrer está finalmente chegando nos cinemas, com o último capítulo da saga de James Bond definido para estrear nos cinemas hoje (30) no Brasil. Sem Tempo Para Morrer mostrará Bond vivendo sua aposentadoria do serviço secreto na Jamaica. Sua paz dura pouco quando seu velho amigo Felix Leiter, da CIA, pede ajuda, levando Bond para a trilha de um misterioso vilão armado com uma nova e perigosa tecnologia. O elenco de Sem Tempo Para Morrer também incluirá Ana de Armas, Lashana Lynch, Naomie Harris, Lea Seydoux, Ben Winshaw, Jeffrey Wright, Rami Malek e Ralph Fiennes.

Como o vigésimo quinto filme da franquia Bond - e o último grito confirmado para a estrela da franquia Daniel Craig - o hype em torno de Sem Tempo Para Morrer continuou a crescer. Na terça-feira, as mídias sociais e os embargos de crítica ao filme quebraram, o que significa que as reações iniciais ao filme finalmente vieram à tona.



Então, o que exatamente os críticos estão dizendo sobre Sem Tempo Para Morrer? Continue lendo para descobrir e compartilhe suas ideas conosco nos comentários abaixo:

Patrick Cavanaugh, ComicBook.com

"Sem Tempo Para Morrer consegue servir ao público quase tudo o que eles querem de um filme do Bond, seja a estreia ou a entrada final de um ator, ao mesmo tempo que consegue evitar as armadilhas da série. O enredo acaba parecendo não essencial, assim como toda a trajetória de Safin, mas ainda temos vários momentos surpreendentemente tocantes com Craig, levando a uma merecida expulsão do ator cujo elenco inicial para Casino Royale foi recebido com a reação dos devotos. Sem Tempo Para Morrer provavelmente não será o filme favorito entre fãs quando se trata do legado de Craig, mas certamente oferece ao ator a oportunidade de mostrar todas as habilidades em seu arsenal que ele merece com razão."

Você pode ler a resenha completa aqui.

Brian Lowry, CNN

"Bond também descobre que sua vaga no MI6 foi habilmente ocupada por um novo agente (Lashana Lynch), que herdou sua licença 007. No entanto, embora Lynch faça um acréscimo forte, sua interpretação é relativamente fraca e apenas aumenta a abundância de movimento em partes do enredo, ainda mais complicado do que o normal, tem de servir. Um tema subjacente é que o mundo mudou - certamente desde o período da Guerra Fria em que o personagem nasceu - anuviando e construindo alianças, como Leiter pensa , "difícil distinguir o bem do mal." Essa medida de complexidade, no entanto, não aprimorou uma fórmula construída sobre vilões que ameaçam o mundo e ação muscular.

Em termos de peças básicas de Bond, o filme oferece algumas perseguições e sequências de ação impressionantes, com Ana de Armas (co-estrela de Craig em "Entre Facas e Segredos") adicionando outra dose de empoderamento feminino durante uma missão que leva Bond a Cuba. Ainda assim, "Sem Tempo Para Morrer" parece estar trabalhando muito para fornecer a Craig uma despedida digna de todo o hype associado a ela - um excesso que pode ser resumido simplesmente, finalmente, por levar muito tempo para alcançar o fim."

Você pode ler a resenha completa aqui.

Peter Bradshaw, The Guardian

"O último filme de Craig como a diva da inteligência britânica é tempestade épica, com o roteiro de Neal Purvis, Robert Wade, com Phoebe Waller-Bridge entregando pathos, ação, drama, comédia de acampamento (Bond chamará M de 'querida' em momentos de irritação), desgosto, terror macabro e ação antiquada absurdamente boba em um filme que traz à mente o mundo do Dr. No em sua ilha. O diretor Cary Fukunaga fala com grande brio, e o filme também nos mostra um vínculo romântico , um Bond zeloso, um Bond que não tem medo de mostrar seus sentimentos, como o velho molenga que ele acabou se tornando."

Você pode ler a resenha completa aqui.

Nicholas Barber, BBC

“A trama que se segue é muito complicada para entrar, mas Fukunaga e sua equipe mantêm a ação correndo a uma velocidade ofegante e de maneiras que parecem mais ou menos lógicas. Com tanto para se encaixar, nem todos os elementos são satisfatórios. A linda agente da CIA interpretada por Ana de Armas consegue ser charmosa e hiper competente, então é uma pena que ela não tenha mais o que fazer. Malek parece estar perdendo algumas cenas importantes também, mas quando está na tela ele é muito jovem, muito aguado e muito desagradável para ser um vilão clássico de Bond. Parece que ele passa mais tempo cuidando do cabelo do que dos seus planos malignos.

Se houver outros elementos também que não atingem as alturas que almejam, em geral Sem Tempo Para Morrer faz exatamente o que foi planejado, que é encerrar a era Craig com enorme ambição e autoconfiança. Além disso, de alguma forma consegue pegar algo de todos os outros filmes de Bond e juntá-los. Para citar uma certa música que faz uma reaparição melancólica: se isso é tudo que temos, não precisamos de mais nada."

Você pode ler a resenha completa aqui.

Alex Flood, NME

"... Com tanto em jogo graças ao cinema dizimando pelo COVID, os produtores de Sem Tempo Para Morrer, Barbara Broccoli e Michael G. Wilson, devem ser aplaudidos por assumir alguns riscos ousados. O final arrepiante, na verdade, pode ser o maior da história de Bond. No entanto, quando os créditos finalmente rolarem no último grito de Daniel Craig, todas essas dificuldades desaparecem em segundo plano. Se não o soubéssemos, diríamos que até parecia que ele se divertiu."

Você pode ler a resenha completa aqui.

via CB