O dia que o Iron Maiden vai pendurar as guitarras ninguém sabe, mas em 2021 não vai ser. No dia 3 de setembro a banda lançou Senjutsu, 17º álbum de estúdio, para alegria dos fãs. A saudade da Donzela de Ferro estava grande: há quatro anos o grupo não lançava um álbum, o mais recente era The Book of Souls (2015). 

Com a pandemia de Covid-19, o Maiden finalizou o álbum que começou a ser escrito em 2019, durante os intervalos da turnê Legacy of the Beast. Num momento onde o mundo precisa de alegria, os britânicos entregaram exatamente isso. Senjutsu é uma viagem cinematográfica, com elementos que deixam o som mais encorpado e interessante.


Senjutsu é um álbum duplo com 1h21 de duração. Ele tem baterias galopantes e tribais, guitarras sérias e sombrias, e sonoridades inusitadas como o southern rock de Writing on the Wall, ou solos inspirados na música celta de Death of the Celts. Tem ainda o começo psicodélico de Lost in a Lost World, que logo evolui para o heavy clássico da banda.

Se desse para resumir as 10 músicas de um jeito fácil de explicar, seria isso: o Iron Maiden conseguiu ao mesmo tempo se reinventar, e manter a base sonora que os fãs tanto adoram. E os vocais? Você vai me perguntar. Não sou devota do Maiden, mas do que eu já ouvi, diria que Bruce Dickinson entrega alguns dos vocais mais interessantes da carreira nesse álbum.


Que os devotos me corrijam se eu errar, mas a voz dele parece um pouco mais grave, o que eu gostei e muito. Suas linhas vocais são interessantes, cativantes, é basicamente um contador de histórias que você tem vontade de ouvir o que ele tem a dizer. Ou você pode chamar de mago dos vocais, o que combina muito bem com o visual atual dele. 

Vale a pena ouvir Senjutsu? 

Vale. Só não recomendo ouvir na pressa e na impaciência, pois você vai perder vários detalhes interessantes e sair tirando conclusões precipitadas. 

Para quem é fã da banda de longa data, é obrigatório. Fãs casuais também vão gostar, uma vez tendo em mente que é um álbum longo. E quem nem curte Iron Maiden, mas gosta de música boa, deve espiar pelo menos uma vez. É um álbum bem legal mesmo.

Solte o play no álbum completo


Faixas favoritas: Stratego, The Writing on the Wall, Days of Future Past