O primeiro fim de semana de outubro geralmente dá início à temporada de café com especiarias de suéter e abóbora. Mas este ano, também sinalizou o retorno, há muito esperado, do sucessos de bilheteria que dominavam o multiplex antes da chegada da COVID. Seguindo o recorde de Shang-Chi e da Lenda dos Dez Anéis em setembro, a sequência do super vilão da Sony, com Venom: Tempo de Carnificina, quebrou todos os benchmarks da era pandêmica anterior com uma expressiva arrecadação de $ 90,1 milhões na América do Norte.

Isso dá um ânimo aos cinemas e ganha o reforço do desempenho do novo 007, que estreia nessa semana no NA mas já estreou pelo mundo e também foi muito bem, mesmo chegando na China apenas no da 29 de outubro (uma bela data, aliás).

Venom 2 mesmo em meio a pandemia superou a abertura do primeiro filme do simbionte, crítica aqui, que teve um total de U$ 80 milhões na sua abertura. Tempo de Carnificina também teve a mesma estratégia de Shang-Chi e foi lançado exclusivamente nos cinemas, diferente de Viúva Negra que teve simulcast no Disney Plus e deu nisso aqui depois.

Em sua quinta semana Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis manteve a queda que se espera após tanto tempo em exibição, contudo, o filme conseguiu superar a barreira dos U$ 200 milhões totais das bilheterias domésticas.

E mesmo sem estrear no Estados Unidos o "esquenta" de 007 - Sem Tempo Para Morrer foi bom e com exibição em 54 territórios o filme arrecadou U$ 119 milhões e deixa uma boa expectativa para sua chegada no mercado local.