Novembro tem sido um grande mês para música, e a primeira semana já veio colocando o pé na mesa. No dia o Bullet For My Valentine lançou o sétimo álbum de estúdio, adiado por causa da pandemia. A banda falou muito sobre apresentar uma nova fase, mas raivosa e pesada. E se em 2021 ainda existe preconceito contra eles, Bullet For My Valentine mostrar que isso é, mais do que nunca, puro mimimi.

O começo de Parasite, a primeira faixa, é muito simbólico. Se você aumentar bem o volume, vai ouvir trechos de várias músicas do Bullet. É um easter egg muito bom, e ao mesmo tempo é o ritual de passagem do passado para o presente da banda. Algumas das músicas que tocam são Your Betrayal, You Want a Battle? (Here's a War), Tears Don't, Waking the Demon, e Hand of Blood.

Parasite é um ótimo cartão de visitas, mas o restante do álbum me surpreendeu por ser bem agressivo. Ok, não é como se o Bullet nunca tenha gravado uma música porradeira. Hand of Blood é um ótimo exemplo. Mas agora a banda está explorando o limite entre metalcore e death melódico, e eu adorei isso. É um negócio bem In Flames! E tudo que lembra minha banda favorita, sobe no conceito.

Quando chega Can't Escape the Waves a gente tem uma pseudo quebra de ritmo. A música não é bem uma balada, porém é mais cadenciada e sem a correria do começo do álbum. É um bom momento de respirar pro ouvinte, que vai levar uma voadora no peito logo em seguida com Bastards. A introdução dessa música é bem na linha de You Want a Battle? (Here's a War), vale registrar.

No Happy Ever After é rápida, com guitarras ora brutais, hora melancólicas e dramáticas. Elas dão bem o tom do álbum no geral, inclusive. Essa é uma típica música do Bullet For My Valentine, e isso é ótimo. 

E se você quiser um fator wow, ouça o álbum até o fim. Death by a Thousand Cuts é daquelas músicas que fazem você parar o que estiver fazendo para poder ouvir. Sério, isso aconteceu comigo. A pedrada da bateria definitivamente lembra alguma coisa que eu já ouvi muito, mas não consigo definir. É um ótimo encerramento para um ótimo começo de álbum.

Vale a pena ouvir Bullet For My Valentine?

Sim. Muito mesmo. A banda cumpriu com louvor a promessa de entrar numa nova era. Durante anos o grupo foi mal falado por causa do "lado emo" das músicas, que na real eu gosto muito. (Just bittersweet memories #notasmusicais) Mas já era claro que os caras entendiam de fazer bom heavy metal. É que o preconceito cega as pessoas.

Seria o início do Bullet death melódico? Por mim pode vir, tem 100% do meu apoio. As músicas do novo play são muito dinâmicas e com uma ótima cadência, é um álbum que não te enjoa. Ele mostra uma banda confiante no que sabe fazer, com um tompero extra. Momentos de thrash-metal-Bay-Area-escos! Uma das melhores coisas desse play. 

Esse novo álbum me faz lembrar a transição do Trivium da era Dying in Your Arms para o ponto atual. E o Trivium atual é gigante. Por isso eu fico empolgada muito de ver até onde o Bullet For My Valentine vai com esse som, pois o potencial existe, e ele é real.

Solte o play no álbum completo


Faixas favoritas: KnivesCan't Escape The Waves, Shatter