Finalmente a nova super equipe da Marvel está entre nós após sofrer com os atrasos devido ao período mais forte da pandemia, mas, Os Eternos chegaram e com uma aventura digna da sua dimensão de poder quase divina. Em meio a tanta confusão, críticas esquisitas, fãs achando que é filme lacração (tipo essa?), afinal, deu bom ou a Marvel errou a mão? Vamos falar sobre o filme.

Sinopse

Em 5000 A.C., dez Eternos com aparência humana do planeta Olympia são equipados com superpoderes e enviados pelo Celestial Arishem para a Terra, onde devem lutar contra os invasores Deviantes. Ao longo dos milênios, eles protegem a humanidade dos perigos representados por essas criaturas, mas não podem interferir no desenvolvimento da população mundial. Depois que os supostos últimos Deviantes são mortos em 1500, há uma ruptura dentro do grupo, já que as opiniões divergem sobre sua responsabilidade para com a população. Eles passam os próximos quinhentos anos separados um do outro, esperando que Arishem os envie de volta ao seu planeta natal.



Uma nova equipe milenar

Criados no princípio da humanidade para defender a Terra da ameaça Deviante e não interferir em seus conflitos ao longo dos... todos os anos que possam vir pela frente. Com uma origem diferente e um ritmo que não vemos todo dia no MCU, ver como o grupo foi criado e foi se adaptando a vida na Terra é um ponto que gostei de ver.

Essa particularidade do "modo vida normal" dos personagens sempre me despertam uma curiosidade que raramente podemos ver algo em tela, geralmente, são sempre em ações como herói ou uma movimentação "civil" que leva à uma cena onde acontecerá ou algo ou existe conflito.


Observamos como cada Eterno encarou a humanidade e resolveu viver entre eles após observarem alguns conflitos, e não poderem interferir, tem seu toque para esses heróis. Se você se questionava sobre o Thanos, dá pra entender agora.

Um dos pontos bizarramente criticados, mas o que esperar na era dos extremos de eternos dois lados que vivemos hoje em dia, não é mesmo? O ponto de termos personagens distintos, com poderes distintos em vez de apenas diferenciar por cor de uniforme e um eventual cabelo chamativo, funciona de forma muito natural na dita "diversidade" da equipe.

Personagens com estilo que nos lembre um pouco mais o "padrão" de muitos quadrinhos, personagens asiáticos, latinos, duende, indiano, mãe de nós todos, negro, gay, surdo, se unem de uma maneira que você consegue ver simplesmente um grupo normal, a vida. Cada vez mais, mesmo que sutil, a Marvel vai jogando cenas para as pessoas refletirem e, possivelmente, perceber que podemos e devemos vivermos todos em paz.

Desafiando Deus


Sendo seres imortais e de poderes muito fortes, parte da trama de Eternos mostra como até mesmo seres imortais podem ter uma relação tão a modo humanos com divindades, afinal, sendo crias de Arishem e fiéis a sua missão, é normal que em algum momento alguém se questione se estão, de fato, fazendo o certo.

Os dilemas da missão e a observação de como a humanidade vai progredindo acaba gerando divergência nos pensamentos dos membros, e, eles passam a viver separados uns dos outros e no meio dos humanos. Ironicamente no meio dos humanos, um Eterno pode ser considerado e venerado como um Deus dependendo da era da humanidade em que eles estão vivendo.

Um MCU que nunca vimos


Outro ponto que, ao menos a esse humilde redator, foram algumas referências e piadas que são realizadas no filme, e que, nos mostram que o mundo do MCU é mais próximo do nosso do que imaginamos nesses anos todos.

Além de aos poucos surgirem mais coisas relacionadas às outras marcas incorporadas pelo Rato, como mais referências de Star Wars escancarando com brinquedos, temos dois momentos em que você se questiona se a piada realizada foi real. Acredito que uma parte gostaria de ver algo assim, mas nunca esperariam.

Uma outra coisa que chama a atenção é como um evento da magnitude que acontece no filme acaba ficando fora do radar dos Vingadores devido a natureza de como ele escala. É um ponto onde é natural nos gerar perguntas sobre como seria possível ou se o serviço dos Eternos foi tão eficiente assim, afinal, teoricamente os Deviante poderiam gerar algum tipo de sinal que Tony Stark poderia ter captado no passado, ou, o que restou dos Vingadores captar no presente.

Vale a pena assistir Os Eternos?


No fim do dia, mais do que coisas legais, ruins ou tensas que possam envolver Os Eternos, o brasileirinho e os nerdolas querem saber: vale a pena assistir Os Eternos no cinema? Sim, indo direto ao ponto. Se você for das pessoas que qualquer azinho contrário ao que pensa, lhe dá um sentimento de raiva e ódio repentinamente, existe tratamento.

Mais uma vez a Marvel mostra que seu Universo 199999 (MCU) é muito mais prazeroso e amigável para curtir os filmes para quem sabe o básico ou está aprendendo com os filmes. Para quem manja bem, os detalhes e sutilezas de muitas referências que podemos encontrar seguem firmes e fortes.


No final do dia o cinema ainda é entretenimento, e o cinema de super-heróis é uma das melhores opções que temos, contudo, uma eventual frustração é normal e até natural, mas, uma discussão que vira algo como as clássicas brigas de torcida organizada nos anos 1990. não fazem o menor sentindo, menos ainda, em cima de um filme bom e que nos leva de forma eficiente para o novo rumo da fase 4: o lado cósmico da Marvel.

Quantas cenas pós créditos tem em Os Eternos? Tem duas cenas, então, segura mais um pouco o exagero que você deu no refrigerante e se empolgue com o futuro cósmico.