Talvez um lançamento de clássico que agitou o fim da temporada foi a chegada de GTA San Andreas - Definitive Edition para PC e consoles, no qual, prometia trazer toda a nostalgia de volta com um tapa no visual e algumas correções. Contudo, a nostalgia voltou igual como era e com um levíssimo tapa no visual. Vamos conversar sobre o game.

Mais que um remaster, o mesmo jogo

Apedrejar o GTA San Andreas - Definitive Edition é a coisa mais fácil do mundo, mas, e falar da experiência real? Se você acompanhou as duas lives que foram feitas do game, a primeira do lançamento onde não tivemos problemas, e a segunda, com o patch de correções.

Por incrível que pareça eu não tive a experiência dos originais na época e quando jogava, era alguma versão modificada. Algo bem comum na versão de PlayStation 2 que simplesmente virou a alegria dos modders e pirateiros do entretenimento. Esticaram mais mods no GTA San Andreas do que o piratinha esticou em One Piece.


Então ao iniciar o game e ver o "oh shit, here we go again" estava sendo alegria e conhecendo tardiamente um mundo que me escapou quando mais novo. O primeiro pseudo problema surgiu: jogabilidade intacta e não no estilo do GTA V as configurações do controle. Particularmente não tenho problema com isso desde o game compense a experiência retrô, contudo, certas coisas podem e devem ser atualizadas em seus relançamentos.

Ainda mais custando mais de R$ 300! Ah se fosse da Nintendo...

Começando as missões tutoriais essa falta de atualização dá uma pesada mas você consegue jogar. Quer dizer, todo mundo é gangstar no remaster do GTA trilogy até que precise atirar. Machuca o sistema de mira do jogo, algo bem deplorável de conseguir acertar um alvo, mesmo apelando pra mira automática.

GTA Trilogy com o patch de correções


Ironicamente eu tive mais problemas com o game após a correção do que o lançamento original que foi problemático para muitos jogadores. Com o patch de correções maior que a Amouranth instalado, parti para os testes e fiquei mais entre viver a vida loka na cidade do que continuar as missões do Péricles.

Em meio às aventuras urbanas de táxi e ambulância, com eventuais brigas contra gangues, a mira do jogo continuou horrível. Ela recebeu correções, mas controlá-la deu uma falsa sensação de ter melhorado, mas, ela simplesmente ficou zuado depois de iniciar a caçada ao alvo. A mira automática também fica prejudicada dependendo da movimentação do personagem.

Em meio ao caos de controlar melhor a câmera ou a mira quando o pau torava na cidade, um problema constante foi o jogo piscando mais que as luzes nos shows do Alok. Simplesmente os puts-puts sem entretenimento.

Vale a pena? Veja bem...


Com todos os problemas, que eu encontrei, dá para encarar o jogo até o final e ter surtos em coisas bestas, contudo, se você for comprar o jogo... Considere bem se é isso que você quer comprar nesse momento, afinal, mais de R$ 300 fazem uma diferença nesses tempos de crise e estamos falando de gastar com um entretenimento que pode ficar duvidoso para você.

GTA San Andreas Definitive Edition seria uma ideia legal, uma ideia boa, uma nostalgia pra gente cometer crimes com personagem meio quadrado e dar risada por ser uma vida "metaverso" do crime. Marca registrada da série.



Mas os problemas que estão no jogo e vão sendo sorteados, às vezes, somados para alguns jogadores, podem simplesmente te irritar do que entregar uma experiência de reviver sua nostalgia em San Andreas. Caso você tenha Xbox e seja assinante Game Pass a situação fica melhor, afinal, não serão desembolsados o valor da compra e você pode ter a sorte do jogo entreter com menos bugs surgindo e com um dinheiro economizado na conta.

GTA San Andreas Definitive Edition está disponível para PC e consoles.