Review: Arcadia Fallen (PC) (2022)


Uma coisa que me faz gostar tanto de jogos visual novel é o desafio de criar um universo com poucos recursos. Claro, esse tipo de jogo tem gráficos, mas não é bem mais fácil você entregar um na narrativa para o jogador com um Elden Ring da vida. Mas não é surpresa que muita visual novel por aí supera com louvor a limitação do gênero, como é o caso do Arcadia Fallen.


Um clichê bem amarradinho 

No game do Galdra Studios você controla um aprendiz de alquimia que se vê ligado a um espírito ilegal. Seu personagem é atraído para o centro de uma guerra entre humanidade e magia. Caberá a você e ao seu grupo de heróis improváveis salvar o dia. A primeira vista é uma trama clichê, mas não se engane. O desenvolvimento dela justifica a tag simulador imersivo no Steam.

Arcadia Fallen tem personagens que preenchem os estereótipos de um RPG, e mesmo estando dentro dessas "caixinhas", eles conseguem ser bem cativantes. Por causa disso o fator-você-decide, onde as suas escolhas mudam o progresso do jogo, pesa ainda mais. É uma mecânica de impacto por si só, mas ela ganha impacto extra a medida que o jogo avança, porque você realmente passa a se importar com os personagens do seu grupo.


Produção simples e efetiva

A trilha sonora do game é o que você esperaria de um RPG, e por ser uma visual novel, o trabalho mais de sonoplastia é mais apurado, para criar a atmosfera de cada ambiente. Eu gostei disso exatamente por essa razão, por mais que ela seja óbvia. (risos) Eu gostei da arte 2D também, é um estilo bacana e bem feito.


Um destaque

Duas coisas em Arcadia Fallen me chamaram a atenção, uma delas a dublagem. Ela é muito bem feita, e mesmo não aparecendo durante 100% do jogo (imagino o custo de produção que seria), eu gostei muito. As vozes dos personagens realmente combinam com eles, principalmente a Mime e a Victoria. É uma qualidade que dá ainda mais vida aos personagens, e faz a gente pensar como eles seriam além das imagens estáticas.


E o simulador de romance?

Ah, sim. Esse detalhe, o que me fez jogar o game.

Arcadia Fallen é um raro caso que dá liberdade de gênero para criar o seu personagem. Eu, na minha jogatina, criei uma personagem feminina e decidi engatar o romance com a Victoria. Tem sido muito divertido, meio Xena e Gabrielle. Ser LGBTQIA+ friendly é um baita ponto positivo, porque não é algo que aparece sempre, ou aparece bem feito. Antes eu só vi algo do tipo jogando The Arcana.

(E grande alívio, pois eu fujo de simulador de romance hétero como diabo da cruz)

Você tem a possibilidade de criar sentimentos românticos por qualquer personagem do seu grupo, o que é muito bom. Ah! O simulador de romance não é o carro-chefe do jogo, embora seja um ótimo atrativo. As interações de romance são inseridas em momentos inteligentes, que aprofundam mais um pouquinho a experiência que já é tão bacana. 


Vale a pena jogar Arcadia Fallen?

Bastante. O jogo fisga você com o simulador de romance, e faz você ficar pela história - além do romance. Tem até quebra-cabeças! Aqui um spoiler do bem: você pode girar eles no sentido anti-horário. Se o seu clique é esquerdo, é só clicar com o botão direito e vice-versa.

O jogo só tem um "problema": ele não está disponível em português. Então como ele é focado em leitura, você vai precisar estar com o Fisk em dia. Então se você souber inglês, a experiência vale muito a pena. No primeiro momento o jogo não me cativou muito, mas quando eu dei uma segunda chance honesta, não consegui largar ele.



Arcadia Fallen


Gênero: Escolha a sua aventura/simulador imersivo/RPG
Desenvolvedor: Galdra Studios
Preço: R$ 47,49
Mais detalhes: Steam

Postar um comentário

0 Comentários